Caros leitores,

Em continuidade ao relato da evolução da navegação fluvial na França, hoje iremos abordar o transporte de madeira por flutuação, onde foi utilizada pela primeira vez uma técnica de logística: a unitização.


 

A madeira foi importante na economia da França Antiga, como matéria-prima para a construção, para o mobiliário e para a carpintaria de carroças. Foi, também, o combustível por excelência para o aquecimento doméstico, para a panificação e para os usos industriais.

Paris foi o mais importante centro consumidor de madeira e o desmatamento se estendeu pouco a pouco até áreas distantes da capital francesa. No fim do século XVIII, a madeira consumida vinha principalmente da região de Morvan pelo Alto Sena, Yonne e seus afluentes, graças a flutuação.

Le flottage à bâches perdues à Clamecy vers 1880 - A flutua- ção à “lenha perdida" em Clamecy por volta de 1880.

A flutuação era composta por duas fases sucessivas, a flutuação à “lenha perdida”, que era utilizada nos afluentes do rio Yonne, especialmente adequado para essa finalidade, e depois por flutuação “em comboio”, de Clamecy à Paris.

Les débardeurs - Os desembarcadores


Em Clamecy, a 250 km de Paris, os troncos de lenha, jogados nos pequenos afluentes a montante, eram retirados d'água, classificados por tamanho e dispostos em pilhas. Eram então agrupados em fardos ao longo de margens suaves que facilitassem a recolocação na água. Amarrados em comboios eram conduzidos até Paris, carregados pela correnteza.

Construction d'un coupon de bois - Construção de um fardo de madeira.


Nos períodos de estiagem, barragens eram abertas simultaneamente, para criar uma enchente artificial. Essa técnica, chamada de “navegação por eclusagem” ,fornecia a profundidade de água necessária para fazer flutuar as “jangadas” de madeira e a correnteza permitia um deslocamento “rápido” em direção à Paris, com uma velocidade aproximada de 5 km/h.

Nos trechos estreitos do leito do rio, nas pontes e ilhas, ocorriam frequentes choques entre os comboios e eventuais embarcações que estivessem na correnteza, ocasionando danos e atirando pessoas na água. Em Paris, os blocos de lenha eram retirados d'água para secagem e comercialização em mercados livres ao longo do Porto de Greve, próximo de Notre Dame.

Port de Greve - Porto de Greve (Porto da Praia). Mercado livre nas margens do Rio Sena. Torre da Catedral de Notre Dame à direita da gravura. No primeiro plano à esquerda uma embarcação com tonéis de vinho.

 

 

Port de Greve - Porto de Greve (Porto da Praia). Desembarque de lenha, feno e cereais. Ponte de Notre Dame ao fundo no centro da gravura.


No Brasil, essa prática também foi utilizada no Rio Uruguai, divisa de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, no transporte dos troncos de araucárias, “pinheiros do Paraná”, até o porto de Buenos Aires, do final do século XIX até meados do século XX.

No Canadá a flutuação ainda é utilizada para o transporte de madeira em toras até o Porto de Vancouver. Na Amazônia infelizmente esta pratica também é utilizada no contrabando de madeiras nobres, como o mogno e outras espécies em extinção.

 

Referência bibliográfica:

BEAUDOUIN, F. Paris e la batellerie du XVII au XX siécle. Paris: Editions Maritimes & D'Outre Mer, 1979. 32p.

Henn/, B.,Henry M. Voyageurs aux Iongs jours. Paris: Les Editions Arthaud, 1982.216p.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s