• Neste artigo, iremos conhecer a rede de vias navegáveis da França, da qual já conhecemos diversos rios e canais, assim como algumas de suas interessantes obras. Agora iremos mostrar os números e as cifras que fornecerão a noção exata da importância da navegação fluvial na França e na Europa.

  • Em continuidade ao relato da evolução da navegação fluvial na França, hoje iremos abordar os primeiros engenhos que foram utilizados para vencer a correnteza do rio Sena, pois a halage era restrita aos trechos próximos das vilas, necessitava também da via lateral para os cavalos andarem e a força exercida era sempre ob/iqua. Nos trechos com muitos meandros e margens a/agadiças, a utilização da halage era impraticável.

     

  • Neste artigo, iremos conhecer o Canal do Norte, que permitiu a ligação de Paris, no Rio Sena, à região dos flandres na Bélgica e a vizinha Holanda.

  • Neste artigo, iremos conhecer o canal do Rio Reno ao Rio Ródano, que permitiu a ligação do porto de Roterdam, no Mar do Norte, ao Mar Mediterrâneo, ligando cidades como Frankfurt, Strasbourg, Lion e também Basiléia, importante porto suíço.

  • Em continuidade ao relato da evolução da navegação fluvial na França, hoje iremos abordar os diversos dispositivos de transposição utilizados para vencer os desníveis d'água, quando novas técnicas de engenharia foram aplicadas pela primeira vez na Europa e nos Estados Unidos.

  • Caros leitores,

     

    Em sequência o relato sobre a frota da Marinha Mercante Francesa após a 2ª Grande Guerra Mundial.

     

  • Muito antes da invenção da locomotiva - 1825 - e da abertura das primeiras estradas para as carruagens, a navegação fluvial já era utilizada como meio de transporte de pessoas e de cargas, na França Medieval. Em 1672 o engenheiro Paulo Riquet inicia o canal do Midi, ligando o Mar Mediterrâneo ao Oceano Atlântico

  • Em continuidade ao relato da evolução da navegação fluvial na França, hoje iremos abordar o transporte de madeira por flutuação, onde foi utilizada pela primeira vez uma técnica de logística: a unitização.

     

  • Neste artigo, iremos conhecer o canal de Briare, que permitiu a ligação do Vale do Loire, região dos castelos da nobreza francesa, à Paris, e também a ponte canal de Briare, uma verdadeira obra de arte.

  • Situado no extremo oeste da França, também na costa Atlântica, Brest é um pequeno porto comercial e centro da indústria naval. Próximo as grandes rotas de navegação e dispondo de ligações rápidas via rodoviária, ferroviária e aérea, o Porto de Brest oferece muitas vantagens aos seus usuários

  • ituado numa posição ao norte de Saint-Nazaire, também na costa Atlântica, Lorient é um pequeno porto comercial e pesqueiro. É servido eficazmente pela rede ferroviária e pelas rodovias francesas, que o coloca a poucas horas dos principais pólos econômicos da Europa

  • Porto desde o Império Romano, Nantes torna-se um porto importante no século XIV, quando o sal e o tecido eram seus produtos mais movimentados. Entretanto, Nantes só expandiu suas atividades marítimas a partir do século XVI, que atingiram o apogeu no século XVIII

  • A malha que corta o Estado de São Paulo entre as cidades de Itaporanga a Franca, mais conhecida como Rodovia dos Calçados, passará a ser mantida e operada pelo grupo Arteris S.A.. Daqui a 30 dias o grupo deverá assinar o contrato de 30 anos de concessão, podendo ser prorrogado por mais 30.

  • Neste artigo, iremos conhecer as obras que permitiram que a rede hidroviária francesa inter/igasse bacias hidrográficas distintas: o túnel-canal e a ponte-canal.