• Ao longo do ano de 2018 a Antaq realizou leilões de terminais e instalações portuárias, alguns deles em portos importantes, e a concorrência, de modo geral, atraiu pouquíssimos investidores. Na análise de Miller, os altos custos dos contratos e a crise institucional brasileira são os principais motivos que ocasionaram o baixo interesse do mercado.

  • O modelo ideal, ou pelo menos mais eficiente, de gestão dos portos brasileiros é alvo de debates acalorados por todo o País. Para contribuir e subsidiar os interessados no tema, o Blog apresenta hoje o competetente estudo comparado "A governança dos portos brasileiros", de autoria de José Tavares de Araujo Jr., publicado pelo Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (Cindes), em julho de 2018

  • O diretor-presidente da Una Marketing de Eventos, Fabrício Julião, afirma que a programação do evento irá abordar as discussões que envolvem o modelo de gestão dos portos brasileiros, seja ele de controle público ou privado. "Precisamos de um canal de discussão para trazer esse debate e inovação ao setor, falar de temas importantes como tecnologia, gestão, regulamentação. Queremos um evento proativo que possa contribuir para iluminar todas essas questões"

  • O fato: O 2º leilão para arrendamentos portuários, no ciclo da Nova Lei dos Portos,não foi realizado. Estava previsto para ocorrer na Bovespa em 31/MAR/2016,envolvendo6 áreas/instalações no Pará (1 em Vila do Conde – a que foi retirada do leilão de DEZ/2015 (02; 03) por falta de interessados, 2 em Santarém e 3 em Outeiro).

  • O caso policial que se assistiu no Porto de Santos por conta da investigação pelo Ministério Público Federal (MPF) para apurar a atuação de uma organização criminosa na Codesp, abrange serviços de digitalização de documentos e dragagem

  • Em abril vai fazer três anos que ocorreu o incêndio no terminal da Ultracargo, o maior na história do Porto de Santos e que ainda não se apagou em muitas memórias, deixando marcas indeléveis na natureza e no social.

  • Investimentos na ordem de bilhões de reais foram postos em espera sem um horizonte definido, renovações de contrato, expansões e adensamento de terminais se arrastaram por anos, perdendo todos os prazos e trazendo insegurança aos investidores

  • Um dos mais bem avaliados ministros do governo de Jair Bolsonaro (PSL), Tarcísio Gomes de Freitas, líder da pasta da Infraestrutura, aposta em acelerar os projetos lançados pelo Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) para aumentar os investimentos e a eficiência no setor portuário brasileiro

  • Os profissionais que lidam com o transporte marítimo no Brasil carecem de publicações acadêmicas e precisam lidar com um Judiciário pouco preparado para decidir acerca de questões que envolvem a disciplina

  • Um dos motivos que levou Tarcísio a ser escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi sua atuação como secretário de Coordenação de Projetos na Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), afinal o Ministério terá como competência estabelecer diretrizes e definir prioridades dos programas de investimentos no setor de transportes

  • O WebSummit Nova Abertura dos Portos consultou o ex-superintendente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), Daniel Lúcio Oliveira de Souza, e agora publica a visão do entrevistado, que considera "falido" o atual modelo de administração dos portos e lamenta o distanciamento do "modelo da saudosa Portobras"

  • Há mais de 10 anos, quem visitasse Roterdã, na Holanda, um certo terminal portuário de contêiner com equipamentos automatizados se sentiria assistindo a um filme de ficção científica. Um ambiente silencioso e sem a presença de ser humano, onde contêineres circulavam sobre pranchas sobre rodas na área de operações, em movimentos sincronizados e otimizados

  • O engenheiro naval Nelson Luiz Carlini, um dos mais respeitados consultores do País em logística portuária e navegação, está preocupado com a revisão da Resolução nº 2.389 de 2012, da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), que estabelece os parâmetros à prestação dos serviços de movimentação e armazenagem de contêineres nos portos.

  • Com o intuito de disponibilizar uma ferramenta útil ao mercado nacional e internacional, Portogente e Milene Zerek Consultoria unem suas expertises para a criação de uma Plataforma digital que reúne atendimento jurídico e consultoria de mídia voltada para a comercialização de áreas e terrenos a serem utilizadas no mercado portuário e logístico

  • Você conhece ou ao menos desconfia quais são os 10 principais portos do Brasil? Confira abaixo e se surpreenda com o resultado. Primeiro, observemos algumas informações para melhor análise e comparação com o Brasil e o resto do mundo para, então, olhar a classificação em si.

  • Entre os portos que mais cresceram, destaque para o Porto do Itaqui, no Maranhão, totalizando 22.338.213 toneladas em 2018 e crescendo 16,87% no volume total em relação ao ano anterior

  • Com o objetivo de fomentar oportunidades e novos negócios no Brasil, Portogente lançou a plataforma digital "Áreas Portuárias e Logísticas". A ferramenta oferece ao mercado consultoria portuária e de marketing digital para a comercialização de áreas e terrenos com potencial de uso em regiões próximas a portos, aeroportos, rodovias e ferrovias.

  • Revisão propicia expansão de terminais de uso privado e oferece maior segurança jurídica aos investidores e às autoridades portuárias locais

  • A descentralização do processo decisório é uma reivindicação de décadas da comunidade portuária brasileira, na busca de estabelecer decisões mais ágeis e transparentes no setor

  • Aumentar a competitividade dos portos para ajudar o desenvolvimento do País implica em qualificar sua principal força motora, que é o trabalhador. A opinião é do presidente da Federação Nacional dos Conferentes e Consertadores de Carga e Descarga, Vigias Portuários (Fenccovib), Mário Teixeira, que admite conquistas, mas também o muito que se precisa fazer para valorizar a mão de obra diante dos novos processamentos de carga, de equipamentos e a modernização das embarcações.

    O sindicalista acha que a Lei dos Portos 12.815, implantada em 2013, avançou ao explicitar “a necessidade de qualificação dos trabalhadores e a obrigação das operadoras promoverem formação profissional”. Mas diz que, na prática, “os portuários querem revisão e modernização nos planos, nos currículos e na forma de aplicação dos cursos de qualificação”.

    Segundo o dirigente, as categorias reivindicam a criação de centros de treinamentos regionais que disponham de simuladores modernos para capacitar operadores de portêineres, MHC (guindaste móvel), transtêineres, pontes rolantes, empilhadeiras modernas etc. E acrescenta: “Queremos a melhoria do grau de escolaridade dos portuários, com aplicação de curso de língua estrangeira.”

    Fórum
    O dirigente considera o Fórum Nacional Permanente de Qualificação do Trabalhador Portuário um ponto de apoio para alavancar essas questões. “É nessa instância que a segurança nas operações portuárias, no que diz respeito à mão de obra dos trabalhadores – principalmente no âmbito do Órgão Gestor de Mão de Obra(Ogmo) – tem sido tratada.”

    Instituído pelo Decreto 8.033/2013, o fórum é composto por representantes de trabalhadores, operadores e vários

    ...