A utilização de ferrovias para o transporte de cargas no Brasil se iniciou em 1854 com a construção da primeira ferrovia no país. Entre os anos de 1870 até 1920, esse modal era o mais utilizado para a atividade. Com a priorização de investimento nas rodovias, as ferrovias passaram por um declínio e hoje retornam a ser um dos principais modais de carga no Brasil.

Aprenda mais sobre o papel do modal ferroviário no transporte de cargas.

Malha Ferroviária Brasileira

A história das ferrovias se inicia em 1800 na Europa quando o engenheiro inglês Richard Trevithick construiu em 1803 um veículo a vapor similar a uma locomotiva, que pesava 5 toneladas e atingia 5 km/h. A criação desse tipo de transporte e a sua utilização para as cargas trouxe uma revolução, a logística foi facilitada uma vez que os trens conseguiram encurtar longas distâncias e transportar grande quantidade de mercadorias com rapidez. As ferrovias são parte essêncial da evolução do transporte de carga.

No Brasil a primeira ferrovia foi inaugurada em 1854, a Estrada de Ferro Mauá, que possuía 14,5km de extensão, proporção pequena considerando os padrões atuais, porém, para o Brasil do século XIX, o pequeno trecho foi o primordial para início da industrialização do país.

Ao longo dos anos a malha ferroviária foi evoluindo, em 1960 o Brasil possuía uma extensão ferroviária de um pouco mais de 38 mil quilômetros. Infelizmente após este fértil período, a politica do Governo em relação a infraestrutura logística passou a priorizar as rodovias. O uso de ferrovias para o transporte de cargas entrou em declínio, e a malha ferroviária diminuiu para  30.485 km de extensão.

Em 2019 o Governo Federal retomou o plano de privatização das ferrovias, importante passo para a ampliação da malha no país e também para a criação de uma infraestrutura melhor para a logística do Brasil.

As Vantagens e Importância das Ferrovias 

O transporte ferroviário possui diversas vantagens que o tornam essencial para a logística do transporte de cargas de um país do tamanho do Brasil. Dentre as suas vantagens podemos destacar a capacidade dos trens de carga, menor custo em grandes distâncias, maior segurança em relação ao rodoviário, menor frete, entre outros fatores. Tudo isso o torna um dos modais mais utilizados tanto para o transporte de carga quanto de pessoas.

A boa infraestrutura de um sistema de transporte de um país influência no seu desenvolvimento econômico. Isso ocorre principalmente em uma economia global em que as oportunidades econômicas estão cada vez mais relacionadas à mobilidade de pessoas e mercadorias, incluindo tecnologias da informação e comunicação. Um país que possui alta densidade de infraestrutura e redes altamente conectadas são os que possuem maior índice de desenvolvimento. Quando os sistemas de transporte são eficientes, oferecem oportunidades e benefícios econômicos e sociais que resultam em efeitos multiplicadores positivos, como melhor acessibilidade a mercados, emprego e investimentos adicionais. A ineficiência acarreta altos custos e oportunidades reduzidas.

Diferente de outros países que possuem dimensões geográficas continentais o Brasil não preconiza o transporte de carga por ferrovias.
Diferente de outros países que possuem dimensões geográficas continentais o Brasil não preconiza o transporte de carga por ferrovias.

Redação Portogente
*Diversificação da matriz de transporte

As ferrovias são essenciais para a infraestrutura do transporte de qualquer país. A criação de ferrovias na segunda etapa da revolução industrial está intimamente ligada a evolução econômica da época, uma vez que trouxe oportunidades econômicas e sociais substanciais através da extração de recursos, do assentamento de regiões e da crescente mobilidade de carga e passageiros.

À medida que a economia evolui, os setores primários e secundários mudam se tornando cada vez mais industrializados, modificando sua distribuição e tornando o setor de serviços mais desenvolvido. Uma economia avançada precisa de uma infraestrutura de transporte eficiente e robusta, isso significa portos, rodovias e ferrovias que liguem todo um país. 

O economista William Summerhill, em análise sobre o progresso gerado pelas ferrovias a economia brasileira no século XIX, em seu livro Order Againt Progress, afirma que a evolução do transporte de cargas ocorrido no país entre as épocas da Colônia e do Império foram significativos. O avanço entre transporte através de tração animal, que possuía custo elevado, e restringia o crescimento do país, para o momento após a criação das primeiras ferrovias, demostrava que o novo modal reduziu os custos logísticos e possibilitou um redirecionamento do montante economizado para outras áreas econômicas, como o setor industrial.

O autor ainda destaca uma outra consequência do investimento em ferrovias na época, o aumento de renda e ganho de produtividade dos mercados locais, além do crescimento do PIB entre 1869 a 1913 de 19%. Summerhill salienta que o crescimento do Brasil Império foi consequência de investimento em infraestrutura logística.

O Brasil é um país com baixa diversidade na matriz de transporte de carga, de acordo anuário estatístico de transportes do Ministério da Infraestrutura, 61% de toda as mercadorias produzidas no país utilizam as rodovias para circulação. O engenheiro e presidente da Frente Nacional pela Volta das Ferrovias (FerroFrente), José Manoel Ferreira Gonçalves,em entrevista ao Portogente, destacou a importância de um país como o Brasil de investir mais em ferrovias para transporte de carga, não somente no agronegócio, mas com todos os tipos de cargas. Gonçalves afirma que o investimento em diversificação da matriz de transporte de carga é a solução para evitar crises com o abastecimento, como ocorreu em 2018 na greve dos caminhoneiros, onde as exportações sofreram interrupções.

Branco Mundial, realiza estudos sobre como a infraestrutura logística de um país influência no seu desenvolvimento, publicando anualmente o índice de performance logística (LPI) de cada país. Esse índice vai de 1 (pouco desenvolvido) a 5 (desenvolvido). Os países com maior LPI são a Alemanha, Suíça, Bélgica e Japão, todos com índice acima de 4 (WorldBank, 2020).

O Brasil em 2018 possuia LPI de 2,93, ocupando no ranking o 56º lugar como país com melhor infraestrutura logística. No ano de 2016 o seu índice era de 3,11. O país na América Latina com maior infraestrutura logística é o Chile, com LPI 3,22, a economia mais desenvolvida da região.

Dia-a-dia 
infraestrutura logística para recuperação econômica

Participação das ferrovias no transporte de carga

O Brasil é o 9º país no mundo com maior malha ferroviária de carga(CIA, 2014). Em estudo realizado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) sobre o transporte de carga por ferrovias entre os anos de 2006 e 2018, mostra que o país tem apresentado uma evolução do volume de tonelada por quilometro útil TKU, enquanto no ano de 2006 o volume total era de 389,112 bilhões de TKU, em 2018 esse valor foi de 569,871 bilhões de TKU.

Apesar do crescimento na utilização de trens para o transporte de carga, o país ainda apresenta índices de desempenho, como produtividade (TKU/km) e densidade da rede (km/km²), em comparação com outras economias desenvolvidas um índice muito baixo. Enquanto no Brasil as ferrovias representam apenas 15% da matriz do transporte de carga, em outros países com dimensões continentais como o nosso, o modal ferroviário tem uma participação média de 48% (BNDS, 2018).

Com o investimento privado as ferrovias brasileira tem aumentado a sua participação na matriz do transporte de cargas.
Com o investimento privado as ferrovias brasileira tem aumentado a sua participação na matriz do transporte de cargas.

Silvio dos Santos
*As capacidades dos vagões ferroviários

De acordo com dados da Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF), no ano de 2019 a produção ferroviária foi de 366 bilhões de TKU, demonstrando elevação acima do crescimento do PIB o que significa uma elevação bem acima do crescimento do PIB. Em comparação com dados desde o início das concessões na década de 1990 até ano passado, o crescimento foi de 167%.

A produção de soja na região Centro-Oeste, Norte e Nordeste do país poderia utilizar ferrovias para escoamento nos portos do Arco-Norte, todavia por conta do baixo investimento em diversificação da matriz de transporte de carga, a logística do grão produzido na região é feita toda por rodovias, causando os gargalos logísticos e altos custos com transporte, um ponto negativo para um país que busca crescimento econômico. 

O engenheiro Silvio Santos, especialista em ferrovias, colunista do Portogente e gerente de ferrovias da Secretaria de Estado de Transporte de Santa Catarina, em entrevista ao site em 2019, explicou a proposta de aumentar o transporte de cargas pelas ferrovias, destacando que a baixa utilização do modal sobrecarrega o sistema rodoviário e praticamente esgota a capacidade com um transporte de 76% das cargas em caminhões.sobrecarrega o sistema rodoviário e praticamente esgota a capacidade com um transporte de 76% das cargas em caminhões. A situação do estado de Santa Catarina é reflexo de um país que ainda precisa ampliar o uso de ferrovias.

Cargas mais transportadas por ferrovias no Brasil

O modal ferroviário é o mais indicado para cargas de baixo valor agregado, transportadas em grande volume, de grandes e médias distâncias entre origem e destino. De acordo com a ANTT as cargas mais transportadas pelas ferrovias no Brasil são:

• Produtos Siderúrgicos;
• Grãos;
• Minério de Ferro;
• Cimento e Cal;
• Adubos e Fertilizantes;
• Derivados de Petróleo;
• Calcário;
• Carvão Mineral e Clinquer;
• Contêineres.

A ANTF informou que o transporte de carga geral por ferrovias em 2019 estabeleceu recorde anual, com um total de 107,8 bilhões de TKU, um crescimento de 4,2% em relação ao ano anterior.

As ferrovias são responsáveis por 40% das commodities agrícolas que chegam aos portos brasileiros. O açúcar e o minério de ferro são as cargas que mais utilizam as ferrovias para seu escoamento, cerca de 50% e 92% respectivamente (ANTF, 2019). 

No Porto de Santos Em 2019, as ferrovias soram responsáveis por 46% das cargas, equivalente a 41,8 milhões de toneladas. O açúcar foi a carga mais escoada pelo porto em um total de 12,5 milhões de toneladas, cerca de 66% daquele volume chegaram via trilhos.

o Plano Nacional de Logística têm o objetivo de mudar a participação das ferrovias na matriz do transporte de carga de 15% para 30% até 2025.
o Plano Nacional de Logística têm o objetivo de mudar a participação das ferrovias na matriz do transporte de carga de 15% para 30% até 2025.

Bruno Merlin
*
Ferrogrão e ligação com Arco Norte são metas mais ambiciosas, diz ministro em conversa com Bial

Futuro das ferrovias no Brasil

O investimento nas ferrovias ultrapassou R$ 113 bilhões entre 1997 e 2019. Esse valor é consequência das privatizações que ocorreram nesse período, que permitiram ao país obter uma malha ferroviária mais tecnológica e eficiente.

De acordo com dados do Governo, a previsão de investimento em ferrovias é de R$ 25 bilhões, direcionados para expansão da capacidade da malha, através da duplicações de vias, contornos, construção e ampliação de pátios e terminais, e o consequente aumento do volume de carga transportada e a elevação das exportações.

O Governo federal retomou as privatizações e concessões para construção de novas ferrovias no ano de 2019. O Plano de Logística Nacional prevê o aumento da participação das ferrovias na matriz de transporte de cargas para 30% até o ano de 2025. Para atingir esse objetivo o Brasil considerou a duplicação da Estrada de Ferro de Carajás, a ligação dos municípios de Chapecó (SC) até Barcarena (PA) através de ferrovias, construção do Ferroanel Norte, adequação da capacidade das ferrovias já concedidas.

O Plano de Logística Nacional tem o objetivo identificar e propor soluções para incentivar a melhoria da infraestrutura de transporte, para reduzir custos e buscar o equilíbrio da matriz, para assim conseguir obter eficiência para a movimentação das cargas e diminuir a emissão de poluentes. O PNL é baseado em estudos e pesquisas sobre a infraestrutura do transporte de carga do país.

Navegue mais pelo Portopédia: Ferrovias brasileiras: conheça os fatos históricos mais curiosos

Fonte
*CIA
*ANTF
*Plano Nacional de Logística (PNL)
*Anuário CNT do Transporte 2019
*As ferrovias no transporte de cargas brasileiro

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

O que você achou? Comente