Transporte / Logística

Marcelo Nonnenberg, também técnico do Ipea, fez coro à afirmação de Oliveira e ainda ressaltou: “É fundamental que a gente pense em redução do custo dos transportes. É algo crucial”, afirmou. O diretor da Dinte, Renato Baumann, corroborou a afirmação dos colegas e trouxe o aspecto da geografia da América do Sul como um fator que dificulta as trocas comerciais: “O contato com os principais centros de comércio (América do Norte, Europa e Ásia) só pode se dar pelo mar. Já pelo interior do continente, só por meio de hidrovias e ferrovias. É uma geografia ingrata”.

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
Foto: WikipédiaPesquisa mostra que construção do Rodoanel não levou em conta interesses de outros segmentos, apenas do governo estadual e a empreiteiras

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
Leia também * CPI do Transporte Público deve iniciar trabalhos em fevereiro

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
Desde o lançamento do projeto Primeira Habilitação para o Transporte do Sest Senat na quinta-feira da semana passada, 40.538 pessoas fizeram a sua pré-inscrição até a manhã desta quarta-feira (12). O objetivo é fornecer, em âmbito nacional, de maneira gratuita, a primeira Carteira Nacional de Habilitação (CNH), categoria B, a 50 mil jovens em todo o Brasil. O crescimento dos acessos ao site chegou a 200% nesse período. Para participar do projeto é preciso ter entre 18 e 25 anos, comprovar renda familiar de até três salários mínimos, saber ler e escrever, possuir Carteira de Identidade ou documento equivalente, participar dos cursos de formação inicial oferecidos pelas mais de 100 unidades do Sest Senat e assinar um contrato de adesão, em que assume o compromisso para se engajar no setor de transportes. A carência de mão de obra qualificada tem prejudicado a maioria dos setores da economia brasileira. Muitas são as vagas abertas e não ocupadas, principalmente, no setor de transporte, atividade fundamental para o desenvolvimento e competitividade do país. No ano passado, o setor empregou cerca de 2,6 milhões de trabalhadores, o que equivale a 20,5% de toda a força de trabalho empregada no setor de serviços privados não financeiros. No entanto, especificamente no transporte rodoviário, a maior demanda é de profissionais habilitados e qualificados para conduzir veículos pesados com tecnologias embarcadas cada vez mais sofisticadas. Segundo dados do setor, há uma carência de aproximadamente 100 mil motoristas profissionais. Atento a essa necessidade, o Sest Senat desenvolve o projeto a fim de viabilizar a primeira CNH, atrelado à qualificação profissional dos jovens de baixa renda, e, assim, inseri-los no mercado de trabalho e contribuir para o desenvolvimento do setor. “Nos últimos anos, as empresas estão tendo dificuldades em contratar profissionais, e a nossa ideia é suprir essa carência. Além disso, com a gratuidade da formação e da CNH, também garantimos ao jovem uma profissão, e cumprimos com os nossos objetivos institucionais de desenvolvimento profissional e social”, afirma o presidente do Sest Senat e da CNT, senador Clésio Andrade. O projeto prevê também a continuidade da formação desses jovens para atuarem como motoristas profissionais. Para isso, o Sest Senat oferecerá cursos de formação específica tanto para motoristas de ônibus como de caminhão, além de viabilizar a mudança de categoria da CNH (D ou E) dos participantes. O treinamento utilizará simuladores de direção de última geração e estará integrado ao Programa Trainee de Novos Motoristas e ao Programa de Formação de Novos Motoristas. Os interessados em participar do projeto podem obter informações pelo telefone 0800 728 2891 e realizar a pré-inscrição pelo formulário na Internet.

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
“Em função de problemas existentes no escoamento da safra do ano de 2013, o governo federal determinou ao Ministério da Agricultura, junto com o Ministério dos Transportes e a Secretaria Especial de Portos para que juntos, nós olhássemos as soluções para que o escoamento da safra se desse o mais rapidamente possível, sem maiores transtornos para populações, principalmente junto aos portos brasileiros”, destacou.

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

O que você achou? Comente