Transporte / Logística

O saite PortoGente aproveita a semana comemorativa ao Dia do Café para enaltecer o estereótipo do trabalhador portuário do café. Peça fundamental e primorosa de toda essa engrenagem econômica.

0
0
0
s2smodern
powered by social2s
A preocupação com a segurança dos trabalhadores portuários é cada vez mais evidente. Acidentes são corriqueiros e, causados por inúmeros motivos, acabam gerando doenças, amputações e até mortes. Para diminuir o número de vítimas, é necessário avaliar os riscos, analisar o ambiente de trabalho e prevenir todas as pessoas envolvidas.

0
0
0
s2smodern
powered by social2s
O Sindaport (Sindicato dos Empregados na Administração Portuária) completou no domingo, dia 14, 73 anos de fundação. Para marcar esta data, foi realizada nesta segunda-feira uma homenagem tradicional aos associados que completam 50 anos de sindicato. O que mais se ouviu no Auditório Waldemar Neves Guerra foram palavras de respeito a uma categoria que, hoje, conta com cerca de quatro mil pessoas em seus quadros.

0
0
0
s2smodern
powered by social2s
O modal ferroviário tem grande importância para o mercado brasileiro e ainda pode ser mais bem explorado. A grande vantagem da movimentação via trens é a possibilidade de se transportar grandes quantidades de volumes por longas distâncias.De acordo com a Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF), a participação das ferrovias na matriz de transportes do Brasil vem aumentando ano a ano. A participação, que era de 19% em 1999, subiu para 24% em 2003 e está prevista para chegar a 30% em dois anos. A ANTF destaca que a referência internacional é de 42% de participação, um desafio para as ferrovias brasileiras.A MRS Logística opera e controla a Malha Sudeste da Rede Ferroviária Federal. Segundo o Diretor Comercial Valter Luiz de Souza, a empresa atua no mercado desde 1996. A Malha interliga os estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, e possui 1674 quilômetros de extensão. "Grande parte da movimentação deve-se à produção do Quadrilátero Ferrífero em Minas Gerais. Muito minério é produzido naquela região. Além disso, 70% das cargas são provenientes da indústria siderúrgica". Destaca-se, também, o transporte de cimento, bauxita, produtos agrícolas, coque verde e contêineres.Souza conta que a MRS Logística cobre uma região que movimenta cerca de 65% do Produto Interno Bruto (PIB) Nacional e que abriga os maiores complexos industriais do país. "Nossa sede operacional fica em Juiz de Fora (MG), mas há outros locais que são de grande importância para a empresa, como Sepetiba e Santos". A MRS tem acesso direto aos portos das cidades citadas - além dos portos de Guaíba e Rio de Janeiro -, que recebem grande parte da carga movimentada pela MRS. O diretor superintendente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) - que é responsável pelo Porto de Sepetiba - Davi Emery Cade, está confiante em receber fatia ainda maior das mercadorias que passam pela Malha Sudeste, já que o terminal fica próximo ao Quadrilátero Ferrífero e distante do perímetro urbano.Souza destaca que a MRS tem como prioridade a logística integrada por meio da multimodalidade, o que implica em planejamento dos locais a serem percorridos. Ele acrescenta que as cargas e rotas mais efetuadas pelos trens administrados pela empresa variam de acordo com a demanda do mercado interno e do mercado internacional. "Porém, desejamos crescer no setor de contêineres para que possamos trabalhar ainda mais com o Porto de Santos".A América Latina Logística (ALL) é a maior empresa de logística com base ferroviária na América Latina. A empresa, que conta com uma frota de cerca de 1800 veículos e 16 mil quilômetros de vias férreas no Brasil e na Argentina, busca reforço da captação de contêineres, tendo em vista o fortalecimento do modal ferroviário.O Diretor de Industrializados da ALL, Paulo Basílio, afirma que a empresa utiliza a estrutura existente para ganhar força no mercado de contêineres para exportação. "Acabamos de finalizar a infra-estrutura de desvio nos terminais portuários de contêineres e abrimos vários pontos de consolidação de cargas para exportação".Embora priorize o setor de contêineres, a ALL atende diversos segmentos, como as áreas de construção, combustíveis, madeira, papel, celulose, siderúrgicos, embalagens e bebidas, entre outros. Para isso, Basílio ressalta que os serviços logísticos englobam movimentação nacional e internacional door-to-door (porta-a-porta), distribuição urbana e gestão completa de armazéns. É possível perceber que a utilização do modal ferroviário vai muito além do planejamento de rota dos trens de uma empresa de logística. O crescimento desse modal abre espaço para que os operadores escolham a melhor opção dentre as disponíveis para a mercadoria que será transportada.No exterior

0
0
0
s2smodern
powered by social2s
Apresentada ao plenário em agosto do ano passado, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) de autoria da deputada federal Laura Carneiro (PFL-RJ) está movimentando políticos e autoridades ligadas ao Porto de Santos. A PEC 450/2005 prevê a criação da Polícia Portuária Federal, estabelecendo que os guardas portuários possam integrar esta nova categoria de polícia.  A proposta encaminhada à Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) teve seu parecer aprovado por unanimidade e, em março deste ano, foi enviado à Mesa Diretora da Câmara dos Deputados um requerimento pela deputada solicitando a designação de Comissão Especial para análise da PEC. Políticos de Santos ligados ao Porto já estão trabalhando em busca de apoio para agilizar a votação na Câmara dos Deputados. O vereador pelo PDT de Santos, José Antônio Marques Almeida (Jama), é um dos que está capitaneando essa mobilização. Já apresentou trabalho na Câmara em apoio ao projeto da deputada Laura Carneiro em razão a uma reivindicação dos trabalhadores da Guarda Portuária. "Concordo plenamente com a justificativa do projeto quando fala na vulnerabilidade dos sistemas de segurança dos portos, terminais e vias navegáveis do País e com o agravamento dessa situação. E que essa segurança deve ser feita pela Guarda Portuária, mas elevando a categoria à condição de Polícia Portuária Federal, com capacitação, instrumentos e condições de trabalho adequados à responsabilidade". O presidente da Associação Profissional da Guarda Portuária (Aprogport), Luiz Roberto Gomes, apoia a criação da Polícia Portuária Federal. "Hoje, a Guarda Portuária faz o papel de Polícia Portuária de fato, mas não de direito. Por isso, há de se ter uma corporação que possa ter um status do mesmo nível desfrutado por outras instituições estatais. Por isso, urge dar as atividades da Guarda Portuária o mesmo valor atribuído às da Polícia Federal, da Receita Federal e da Capitania dos Portos, de modo a possibilitar sua plena ação em patamar isonômico ao desses órgãos, assegurando não uma posição de subordinação, mas de sintonia e efetiva coordenação com as demais instituições". Deputados da região A deputada federal petista Telma de Souza questiona alguns pontos da PEC. "Hoje, o poder de polícia nos portos, dentro dos parâmetros que estão sendo discutidos no projeto, é exercido pela Alfândega e pela Polícia Federal. A Guarda Portuária, por sua vez, está atualmente afeta à Codesp, que atua apenas no papel de autoridade portuária em situações bem definidas nas atividades do cais. A primeira questão que se coloca é como seria resolvido esse possível conflito de funções e poderes? Há ainda o caso dos guardas que atuam nos terminais privados. Há também a questão da formação e acesso dos policiais federais à carreira, que é feita através de cursos e concursos específicos. Enfim, é um assunto que precisa ser discutido com cuidado e com a participação de todos os segmentos interessados, por meio de suas respectivas representações."A favor da criação da Polícia Portuária Federal, a deputada federal, Mariângela Duarte, também do PT, é favorável à PEC. No entanto, a parlamentar alerta para a definição da lei. "Para termos uma legislação adequada e moderna, é preciso que a Polícia Federal e a Guarda Portuária possam fazer um longo e franco diálogo para benefício de todas as partes". Sobre a autonomia da corporação, Mariângela comenta sobre níveis de cada corpo de segurança." É preciso levar em conta os níveis de formação e especificação técnica dos dois corpos de segurança, pois existem muitas diferenças. Avançando nesse sentido, será possível uma plena integração com atribuições comuns."O deputado federal Vicente Cascione (PTB) foi procurado pela reportagem, mas até o fechamento da edição não se posicionou sobre a PEC.

0
0
0
s2smodern
powered by social2s