Confesso que fico impressionado como chegam e-mails de diversas regiões do Brasil e de outros países, com solicitações e comentários por parte dos leitores do portal Portogente sobre os mais variados assuntos. Vale ressaltar que o total de page views do site gira em torno de 1,5 milhão por mês.

Há cerca de um mês, recebi uma mensagem através do Portogente, de uma leitora de Portugal, de nome Isabel Fernandes. Ela desejava saber se dispunha de imagens do interior do navio italiano Franca C. Ela viajou a bordo dessa embarcação nas maravilhosas águas do Caribe, em meados da década de 1970.


Belissima imagem do Franca C, construído em 1914. Deslocava 
6.549 toneladas e tinha capacidade para 367 passageiros. Sua alvura 
é um prenúncio de Paz e Prosperidade nesse venturoso 2013.

De imediato, lembrei que tenho, no meu acervo, um catálogo da armadora Linea C, mais tarde Costa Cruzeiros, com fotografias e informações sobre o paquete, palavra usada em Portugal para nomear os navios de passageiros.

Um trecho do catálogo diz o seguinte:

O navio é um autêntico hotel flutuante, ideal para cruzeiros. Todas as cabines são dotadas de banheiro privativo, ar condicionado nas dependências, serviços de restaurante em turno único, amplos e modernos salões para diversos fins, bares, cinema, piscina com espaçoso convés, cozinha requintada e tripulação selecionada.

O navio foi construído em 1914, nos Estados Unidos, como cargueiro, e era utilizado na navegação de cabotagem (costeira). O seu primeiro nome foi Medina.


Durante os cruzeiros eram promovidas festas na área iluminada da piscina

Após a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), foi transformado em navio de passageiros e o nome passou a ser Roma. No final de 1952 passou a navegar pela Linea C, onde recebeu o nome de Franca C. A linha era para a América Central.

Em 1959, sofreu grandes reformas e passou a ser navio de cruzeiros de primeira classe, com capacidade para 367 hóspedes. Os cruzeiros marítimos eram realizados no Mediterrâneo e pelo Caribe.


O marcante logotipo da armadora italiana Linea "C" nas décadas de 1960/1970

Nos anos 1970, participou de uma temporada de cruzeiros pelo Brasil. Vale lembrar que a operadora Agaxtur, fundada pelo inesquecível Aldo Leone, organizou com muito sucesso cruzeiros a bordo do Franca C.

Recordando
Em um ano do início da década de 1970, em plena temporada de verão, encontrava-me na Praia do Embaré, em Santos, quando avistei um navio branco, navegando em direção ao canal de acesso ao porto.

Em princípio, não considerei que o Franca C era um belo navio, em comparação com os afamados transatlânticos Enrico C e Eugenio C, apenas o achei simpático.



 A área da piscina, com espaçoso convés, estava entre os locais
mais alegres e descontraídos do transatlântico.

Foi aquela a única vez que o vi como Franca C. Voltei a revê-lo, em 1979, no Porto de Santos, como navio missionário evangélico que funcionava como biblioteca flutuante e o nome havia mudado para Doulos.

A partir da visita que fiz ao Doulos, ex-Franca C, passei a admirar as linhas que o diferenciavam dos demais navios.

Não custa dizer que o navio – caso ainda esteja navegando – completará 100 anos de existência em 2014. Não tenho informações sobre o destino da embarcação.


Foto tirada no elegante ambiente do salão de jantar. A elegância
ainda predominava nos anos 1970; uma herança vinda dos
navios de passageiros de linha regular

Para comemorar a alvura do Franca C, cor utilizada nas festas de final de ano (o branco é bastante usado na passagem do Ano Novo), a coluna Recordar, do Portogente, aproveita o ensejo para desejar aos amigos leitores e familiares um Feliz Natal e um Próspero 2013, com muita saúde, paz, alegria e muita felicidade!

Façamos um brinde ao Franca C e também lembremos que cada início de ano é sempre época para celebrar o novo – de branco, para quem assim o desejar!

Que Deus esteja sempre conosco!


Interior de uma das confortáveis cabines de primeira classe.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s