Estratégia não é um destino nem uma solução. Não é um problema a ser resolvido. É uma jornada, e precisa de liderança permanente.
(Cynthia Montegomery – O Estrategista)

A indústria naval terá uma boa oportunidade de manifestar suas preocupações, no Logistique 2019, principal evento de logística e transporte multimodal no Sul do Brasil, que acontece de 27 a 29 de agosto, em Joinville (SC). Para o ex-presidente do Estaleiro Atlântico Sul (EAS), Harro Burmann, a medida provisória BR do Mar pode ser uma “pá de cal na indústria naval brasileira”.

600 EstaleiroEstaleiros nacionais precisam ser incentivados e não menosprezados com iniciativas
que só privilegiam empresas estrangeiras. Foto: internet.

Acontece no Sul
Oportunidades e tendências da Cabotagem é tema de debate

O Brasil já foi um dos maiores exportadores de navios com alta tecnologia embarcada à época entre os anos de 1980 e 1990. Aí veio um declínio creditado aos programas da Marinha Mercante. Segundo especialistas, “apesar da letargia, o País tem todo o expertise para a construção de embarcações de nível mundial e essa seria a oportunidade de demonstrar essa capacidade”. Mas, infelizmente, vive um momento de carência de nacionalismo. Ao ponto de um ministro de Estado ameaçar que, se não acolhida a sua proposta, ele muda para o EUA.

Nossa opinião
A hora e vez da cabotagem brasileira

Por suas fortes raízes marinheiras, extensa costa e tantos rios navegáveis, o Brasil não pode abrir mão de ter uma indústria naval forte que assegure sua soberania. Portanto, o projeto BR do Mar segue na contramão dos interesses nacionais e pode matar a construção naval brasileira. Porque propõe, como "solução" para a cabotagem, aumentar em até 50% da frota com afretamento de embarcações estrangeiras e isenção de impostos para navios construídos no exterior.

Deu no Radar Usuport-RJ 
Uma breve história da cabotagem no Brasil

Também parece equivocado o diagnóstico do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, de que “medidas previstas no BR do Mar livram a cabotagem das amarras que visavam a proteção da indústria naval, mas tiravam seu potencial”. Seria o mesmo que afirmar: as universidades brasileiras formam engenheiros navais de baixa qualidade. O que não corresponde à verdade. Portogente abre espaço para esse debate, por aqui e agora.

Blog do Bruno Merlin 
Estaleiros liberados de apresentar pré-contrato para obter recursos do Fundo da Marinha Mercante

A crise do setor naval nacional não pode ser resolvida com achismo. Tampouco os raciocínios interesseiros enterrarem os nossos estaleiros. É uma atividade estratégica para a economia, cuja produtividade afeta a qualidade da nossa Marinha de Guerra.

A cabotagem deve soltar todas suas amarras. Da mesma forma, é imperativo preservar e retomar a construção de embarcações nacionais que cheguem ao mundo. Ou seja, ter estratégia.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*O Dia a Dia é o editorial do Portogente publicado de segunda a sábado e expressa fielmente a posição coletiva dos responsáveis pela redação do website