Engenheiro do Laboratório de Transportes e Logística da UFSC

Caros leitores,

Neste artigo, na sequência sobre o tema das embarcações coloniais, falaremos da esquadra portuguesa que transportou a família real entre Lisboa e o Rio de Janeiro em 1807 - 1808.


Segundo o livro “Naus no Brasil Colônia”, a invasão francesa por terra através da divisa com a Espanha, obrigou a família real portuguesa a se deslocar para sua principal colônia o Brasil, numa situação muito difícil, pois Portugal estava sob bloqueio naval inglês e sob a pressão de uma esquadra russa ancorada no Rio Tejo, praticamente dentro de Lisboa.

O Príncipe Regente D. João VI, pressionado de uma lado por franceses e russos, e de outro pelos ingleses, decidiu se retirar para o Brasil, com a Família Real e o núcleo da administração portuguesa em dezessete navios com 15 mil pessoas. A esquadra, sob o comando do Vice-Almirante Manuel da Cunha Souto Maior, foi organizada às pressas, enquanto os ingleses, avisados dessa decisão, se dispuseram a dar proteção à travessia do Oceano Atlântico.

O embarque se deu a 29 de novembro de 1807 e logo a esquadra sofreu algumas baixas. A escuna Curiosa foi forçada a arribar, ou seja, voltar, ao Tejo a 10 de dezembro com água aberta, ou seja , entrada de água através do casco da embarcação; a nau Príncipe do Brasil, necessitando de reparos e abastecimento, foi encaminhada à Inglaterra. A nau Rainha de Portugal, próximo à Ilha da Madeira, desgarrou da esquadra, mas juntou-se pouco depois com a nau Conde D. Henrique e com outras duas naus inglesas, e ainda com a charrua Tétis, seguindo todos para Cabo Verde, onde se encontrou outra nave inglesa. Todas essas embarcações cruzaram o Atlântico juntas e aportaram em Cabo Frio em 17 de janeiro de 1808, entrando na Baia da Guanabara no dia seguinte.

Enquanto isso, a parte principal da esquadra, onde estavam o Príncipe Regente e a Rainha, aportou em Salvador no Nordeste do Brasil, em 22 de janeiro, onde durante a permanência decretou a Abertura dos Portos às Nações Amigas através da Carta Régia de 28 de janeiro de 1808.  Ver artigo: 200 anos da abertura dos portos -https://portogente.com.br/colunistas/silvio-dos-santos/transporte-modal/os-200-anos-da-abertura-dos-portos-15912

A Família Real se deteve na Bahia até fins de fevereiro para repouso da difícil travessia e finalmente em 7 de março de 1808 o Príncipe Regente fazia a entrada festiva na capital Rio de Janeiro.

 

 

A esquadra portuguesa era composta pelas seguintes embarcações: Príncipe Real, Conde D. Henrique, Rainha de Portugal, Medusa, Príncipe do Brasil, D. João de Castro, Afonso de Albuquerque, Martin de Freitas, Minerva, Golfinho, Urânia, Voador, Lebre, Vingança, Curiosa, Tétis e Condessa Resende.

Referências:

Naus no Brasil Colônia, P. de Godoy, J.E. Senado Federal, Brasília, 2007

http://naofoinogrito.blogspot.com.br/2012/06/nao-foi-no-grito-040.html

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

O que você achou? Comente