Tenho me enveredado, por conta de minha pesquisa de doutoramento, por uma discussão sobre a mudança do padrão tecnológico no manuseio de cargas e a modernização portuária. Existem diversos estudos sobre a modernização portuária, que a colocam no bojo de transformações ocorridas após a crise do modelo de regulação fordista nos anos 1970 e 1980.

Estas transformações, chamadas por alguns de acumulação flexível (HARVEY, 2007), resultaram na reestruturação do setor industrial e na predominância do setor de serviços, principalmente a área de tecnologias da informação e comunicação, levando alguns a proclamarem este momento como a Era da Informação ou Sociedade da Informação. 

* Escola Virtual Portogente indica cursos gratuitos na web
* Escola Virtual Portogente indica vídeos técnicos

Apesar de concordar com esta abordagem, me questiono sobre qual a relação entre a modernização portuária e a mudança do padrão tecnológico de manuseio de cargas. Estudos como o de Donovan (1999) e famoso livro de Marc Levinson (2006), The Box, mostram que a mudança no padrão tecnológico do manuseio de cargas iniciou-se entre as décadas de 1950 e 1960, com o surgimento do contêiner. Logo a seguir, na década de 1970, a estagflação e a crise do petróleo levaram a reestruturação do capitalismo mundial. Entretanto, o contêiner já permitia tornar a economia maior e o mundo, menor (LEVINSON, 2006).

Desta forma, mesmo compreendendo este emaranhado de relações que levam os portos a um processo de reestruturação, não apenas tecnológica, mas econômica, política e social, a questão aparece: até que ponto a reestruturação portuária é resultado da mudança no modo de regulação capitalista? Ou seria ela a síntese destas mudanças e de um impulso proporcionado pela conteinerização? Ou seja, o que vem antes: a modernização portuária e suas políticas de desregulamentação, privatização e liberalização, ou a conteinerização, que coloca a necessidade da reforma portuária para atender os critérios de eficiência que tal tecnologia demanda?

Tal como no dilema de Tostines podemos girar em círculos, mas que mal em debatermos?

Referências bibliográficas
DONOVAN, Arthur. Longshoremen and Mechanization. A Tale of Two Cities. Journal for Maritime Research. London. Dec. 1999. Disponível em <http://www.jmr.nmm.ac.uk/server/show/conJmrArticle.13>. Acesso em 15.ago.2005 

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna. 16 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2007.

LEVINSON, Marc. The Box. How the shipping container made the world smaller and the world economy bigger. Princeton/USA: Princeton University Press, 2006

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s