O porto não pode sobrepor a dimensão humana da cidade portuária.

É meia verdade a frase, “Santos é ignorada na privatização do porto”, dita por seu prefeito, Rogério Santos (PSDB), na entrevista ao jornal folha de São Paulo, desta segunda-feira, 13. E alega que as cidades da região – o porto margeia três cidades – têm sido ignoradas no processo de privatização. Dito de outra forma, esses prefeitos não se relacionam adequadamente com o porto, que sustenta os seus municípios e causa problemas que devem ser evitados. Ou seja, há uma miopia portuária nessas gestões.

Dad porto 16JUN2022Movimento e trabalhadores do porto na escadaria da Prefeitura de
de Santos (1963). Crédito: Novo Milênio: Histórias e Lendas de Santos.

Leia também
* STS10 vai potencializar o Porto de Santos

Relação porto-cidade é uma pauta definitiva nos principais fóruns portuários mundiais. O conceito de atitude ESG – iniciais inglesas representando Ambiente, Social e Governança, em português - , surgiu na Organização das Nações Unidas – ONU e norteia com eficácia as boas práticas no relacionamento do porto com os municípios que ele impacta. No caso de Santos, o quadro da prefeitura tem técnicos competentes de excelente qualidade nessa área, entretanto, nem sempre considerados nas decisões políticas.

Dad porto 1990 16JUN2022Movimento de trabalhadores portuários (1990). Crédito: Novo Milênio: Histórias e Lendas de Santos.

Leia também
* Porto e Prefeitura de Santos destacam necessidade do avanço de uma agenda para a relação Porto-Cidade

A prova cabal e atual dessa realidade, para citar um caso, está na reconstrução da ponte sobre o rio Casqueiro, sem estabelecer altura (calado aéreo) para o trânsito de contêineres em barcaças. Assim, poder estender o porto por hidrovias. A razão é que, sem levar em conta a logística portuária, o foco está na obra utilizada como contrapartida para justificar a renovação, festivamente apoiada por deputados da região, do aditamento prorrogando o contrato de concessão do sistema Anchieta-Imigrantes, até 2033. Com acordo da prefeitura de Santos.

Leia também
* ESG na construção da rede hidroviária do Porto de Santos

Qual a posição do prefeito Rogério Santos sobre a instalação do navio-tanque em área da cidade de Santos, como armazém de gás com potencial de 55 bombas de Hiroshima? O poder municipal não pode e não deve ser tomado por agente lobista, por causa de posições político-administrativas que desatendam os interesses comunitários. Por isso, como boa governança, o fundeio do navio que armazena gás, do grupo Cosan e que causa riscos sociais e ambientais, deve ser debatido pela população ameaçada.

Leia também
* Navio-bomba: potencial equivalente a 55 bombas de Hiroshima no Porto de Santos

Se os municípios que margeiam o Porto de Santos não conseguem participar do debate da sua privatização, precisam aprender com o município de Itajaí (SC), como se administra uma cidade portuária. Portogente tem abordado essa questão em webinars, no seu jornalismo e nas redes sociais. A manifestação do prefeito de Santos, ao jornal Folha, peca por desinformada e por visões distorcidas nas suas conclusões. Sem um projeto conceitual, abrangente e com realidade, chega atrasado sem a lição feita.

Leia também
* Potencializar o Porto de Santos como nó de rede logística global

De fato, é preocupante o processo de desestatização. Mesmo assim, as cidades que margeiam o Porto de Santos não constroem discursos à altura do desafio de implantar um porto do futuro e cidades portuárias para pessoas. Decerto, o comércio e o turismo marítimos internacionais, do novo padrão de porto tecnológico e sustentável, pedem passagem. E o debate continua.

Leia também
* Região Metropolitana do Porto de Santos exige túnel submerso

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*O Dia a Dia é a opinião do Portogente

O que você achou? Comente