Sexta, 12 Abril 2024

O risco está sempre associado à chance de acontecer um evento indesejável

Há muito já passou da hora do prefeito municipal e o presidente do Porto de Santos terem posição efetiva sobre o popularmente chamado navio-bomba, que é perigo à população da cidade. Ameaça instalações e trabalhadores portuários. Põe em risco áreas do porto e o perímetro urbano. Por isso, os promotores do Ministério Público do Estado de São Paulo, Almachia Zwarg Acerbi e Carlos Cabral Cabrera entraram com recurso de apelação para reformar a sentença dada em ação civil pública para instalação desse terminal.

Navio bomba Santos
Veja mais
* Debater com a população o terminal de GNL no Porto de Santos

Na função de processar energia alternativa para geração de eletricidade, o projeto Reforço Estrutural de Suprimento de Gás da Baixada Santista (RESGBS), não está isento de acidente. Especialmente associado à ocorrência de vazamento de gás natural liquefeito (GLN). O Porto de Santos nasceu e se desenvolveu junto à cidade, e não tem característica para operar esse tipo de produto, devido a conurbação com a atividade portuária, com tantas deficiências e proximidade dos espaços das pessoas.

Veja ainda
* Navio-bomba: potencial equivalente a 55 bombas de Hiroshima no Porto de Santos

A viabilização desse tipo de terminal no principal porto do hemisfério sul, exige instalações para operação de GLN afastadas da área urbana, em mar aberto e quebra mar. A exemplo dos Terminais no Porto de Açu (RJ); no de Celse (SE), e o de Pecém (CE). A sua localização ao lado da área de Alemoa, de alta periculosidade e histórico de acidentes envolvendo produtos químicos, no porto, agrava a análise de risco, sob o ponto de vista ambiental, de segurança, de processo, de instalações e atividades perigosas. Ou seja, negligencia as práticas ESG, na sigla em inglês para: ambiente, social e governança.

Veja também
* Distrito Portuário Alemoa: o retrato da omissão e de uma tragédia anunciada

A Alemoa é uma ampla e importante região do Porto de Santos, um complexo sistema operacional único, com várias autoridades distintas: Autoridade Portuária, Prefeitura Municipal de Santos e Terminais de Uso Privado – TUPS de porte. O licenciamento, muitas das vezes, simplificado pela Prefeitura, Companhia Ambiental do Estado de São Paulo – CETESB e Bombeiros, não abrange o terminal vizinho. Onde são também movimentados próximos, por exemplo, etanol e acrilato, de efeitos terríveis no ser humano. Esta complexidade de áreas, de autoridades e gestão desalinhadas, aumenta sobremaneira a ineficiência e o risco em proporção sistêmica. Assim , causar uma explosão em cadeia.

Veja ainda
* Bairro portuário da Alemoa carece de governo

Um sinal claro dessa realidade é a queda de eficiência que ao longo dos anos afetou o Plano de Ajuda Mútua – PAM – um projeto bem estruturado e exitoso por décadas. Portanto, é preciso restabelecer uma visão sistêmica, em que a gestão dessa pujante área leve em conta as influências vizinhas na análise de riscos e de vulnerabilidades. Um debate que está posto e explícita uma conjuntura que expõe, clara e definitivamente, a impossibilidade de instalar na região o Reforço Estrutural e Suprimento de Gás da Baixada Santista.

Veja mais
* Quanto não vale a vida e o navio-bomba 

* abaixo-assinado: Clique aqui

Curta, comente e compartilhe!
Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*O Dia a Dia é a opinião do Portogente

Deixe sua opinião! Comente!
 

 

 

banner logistica e conhecimento portogente 2

EVP - Cursos online grátis
seta menuhome

Portopédia
seta menuhome

E-book
seta menuhome

Dragagem
seta menuhome

TCCs
seta menuhome
 
logo feira global20192
Negócios e Oportunidades    
imagem feira global home
Áreas Portuárias
seta menuhome

Comunidades Portuárias
seta menuhome

Condomínios Logísticos
seta menuhome

WebSummits
seta menuhome
 

 

 

ecoporto