O nome da solução do problema “Brasil” é São Paulo feliz. (autor desconhecido)

Dad 29NOV2021O anúncio da provável candidatura do ministro Tarcísio Gomes de Freitas ao governo de São Paulo, já negado por sua assessoria, impactou o noticiário político. De pronto, por conta da intrepidez de um carioca encarar a disputa de uma eleição, pela primeira vez, para governador do maior e politizado colégio eleitoral do Brasil. Iniciativa essa, que vem sendo intensivamente desejada pelo presidente Jair Bolsonaro, como estratégia da própria eleição.

Leia também
Portos brasileiros por uma desestatização sem visão

Ser eleito governador de São Paulo não é uma conquista trivial. Indubitavelmente, o ministro tem muito potencial político para assumir uma cadeira no legislativo federal. Além do mais, a vitória do governador João Dória nas prévias do PSDB será uma pedra enorme no caminho do candidato do PL ao Palácio dos Bandeirantes. E o Minfra não tem uma foto bonita para mostrar do processo da desestatização do Porto de Santos.

Leia também
* Proposta Santos2050 será apresentada ao governador João Doria

Decerto, o ministro Tarcísio de Freitas é o mais notável do governo. Assim sendo, é inexplicável a insegurança que se assiste no programa de desestatização dos portos e que se traduz por uma insatisfação generalizada. No Porto de Santos, prioriza a desestatização e ativos, sem abordar devidamente os fatores essenciais para o progresso do Estado de São Paulo, como propõe Portogente em Santos2050. Em 2-4-22, muda o líder do Minfra.

Leia também
Deputada tem a palavra do ministro de construir o túnel submerso no Porto de Santos

Se há sucessos para o Minfra comemorar no programa das ferrovias e rodovias, o que se assiste na reforma dos portos brasileiros, foi no sentido contrário à meta da campanha eleitoral, dos portos serem alçados ao patamar dos asiáticos. Esse horizonte inclui o porto de São Sebastião, de administração estadual paulista e que estava sendo tratado, impropriamente, em conjunto com o de Santos. Uma perda de tempo grave. E não para por aí.

Leia também
* Valdemar Costa Neto para dar rumo ao Porto de Santos

Se for lançada no próximo mês como anunciada, a consulta pública sobre a desestatização do Porto de Santos talvez produza a transparência que até agora não houve, num projeto com referencial inconsistente e que não explora plenamente o potencial regional. O Brasil não tem margens para suportar imprudências. É preciso recuperar o tempo perdido e aproveitar para fazer as mudanças urgentes do principal complexo portuário do País.

Leia também
Reformas portuárias: agenda oculta e mão invisível?

A politização das soluções logísticas do Estado de São Paulo, pelo Minfra, vem resultando em prejuízos econômicos e sociais graves à população paulista. Esses caminhos dos transportes, que ligam historicamente a hinterlândia do Estado ao Porto de Santos, e não são atendidos satisfatoriamente nas suas necessidades federais, agora deverão ser trilhados pelo ministro Tarcísio de Freitas, para cabalar votos como candidato a governador.

Reportagem especial - Vera Gasparetto
Navio-bomba: potencial equivalente a 55 bombas de Hiroshima no Porto de Santos

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*O Dia a Dia é a opinião do Portogente

O que você achou? Comente