Surpreende que, passados 80 dias de governo Bolsonaro, o que se anuncia como planejamento para os portos brasileiros não expressa a mínima possibilidade de alcançar, nos próximos quatro anos, os patamares dos portos asiáticos, objetivo que constou nas diretrizes da campanha vencedora da disputa presidencial. São ações inconsistentes e planos requentados, incompatíveis com táticas adequadas para alcançar resultados audaciosos e desejáveis. A política de reforma dos portos, sem rumos certeiros, frustra expectativas e causa incertezas em momento tão preocupante do comércio internacional brasileiro.

ShipImagem do Freepik.

Leia mais
* A descentralização dos portos do secretário Piloni

Sem uma pauta realista nem prazo de implantação da descentralização dos portos, os dias das administrações portuárias serão ineficazes e conflitantes. Atividade portuária gera trabalho, riqueza e desenvolvimento. O País, exigente de uma saída para o caos dos seus portos, quer entender a compatibilidade e que tipo de negócio pretende se viabilizar com portos landlord privatizados. Por que esse processo de descentralização não foi ainda instalado?

Leia também
Privatização: da teoria à prática; da intenção ao gesto

Enquanto isso e em tão pouco tempo, a diretoria do Porto de Santos, o mais movimentado da América do Sul e Caribe, gerou conflito com sua comunidade e volta atrás, como Portogente anteviu, no plano de construir um terminal de contêineres em área histórica do Município. Não satisfeita com o noticiário negativo, anunciou a intenção de cobrar pedágio na avenida Portuária, utilizada pelo trânsito urbano segregado do portuário. Os vereadores da Cidade já se pintam para a guerra.

Leia também
* Porto de Santos rumo a 2050
* Reinvenção das comunidades portuárias

Convenhamos que tais desacertos não oferecem segurança de mudança para melhor. Se analisado, o plano de ação dessa mesma diretoria apresentado na feira Intermodal, com pompas e circunstância, para sanear a empresa e tornar Santos o porto mais eficiente do País, tem o nível de um mero trabalho de conclusão de curso (TCC). Anos-luz distante da intenção de um planejamento que estabeleça um novo paradigma portuário compatível com o porto digital, da Internet das Coisas (IoT) e de última geração. Distante da logística 4.0.

Com certeza, quando a fatura for cobrada pelo futuro perdido dos portos brasileiros, as diretorias atuais já terão passado. Quem vai pagar a conta, outra vez, é a sociedade, que há muito já reclama da ineficiência dos portos e da perda de competitividade de seus produtos no comércio internacional.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s