Stone abre vagas de emprego na capital e interior de São Paulo

A Stone, fintech de serviços financeiros, tem novas oportunidades de emprego abertas nas cidades d...

Leia Mais

Sete principais novidades tecnológicas apresentadas na CES2020

Mais de 4.500 empresas levaram seus produtos e inovações para o maior evento de eletrônicos de con...

Leia Mais

Blog do Bruno Merlin

Setor portuário está na rota da prosperidade, avalia diretor do Brasil Export

O diretor-presidente da Una Marketing de Eventos e organizador do consagrado Fórum Brasil Export, ...

Leia Mais

Portos do Brasil

Rio projeta maior temporada de cruzeiros em 20 anos e arrecadação de US$ 26 milhões em janeiro

O Brasil convive com uma "gangorra" no mercado de cruzeiros marítimos no Pais. Os números que envo...

Leia Mais

Em vídeo enviado ao WebSummit Arco Norte, congresso digital do Portogente que discute uma logística mais ágil e eficiente do escoamento de carga pelos portos das regiões Norte e Nordeste, o diretor-presidente da Associação dos Terminais Portuários Privados (ATP), Murillo Barbosa, apontou o aumento da profundidade da Barra Norte do Rio Amazonas e a conclusão do asfaltamento da rodovia BR-163 como os principais desafios para melhorar a competitividade logística dos produtores de grãos, em especial os instalados no estado do Mato Grosso.

imagem aerea arconorte
Foto: Arthur Cabral Neto

> Acesse aqui o WebSummit Arco Norte; atividades 100% gratuitas

Historicamente, lembra Barbosa, a exportação da produção nacional de grãos era realizada por meio dos portos das regiões Sul e Sudeste, acarretando em expressivos custos logísticos e prejudicando a competitividade do agronegócio brasileiro, considerado um dos mais eficientes do mundo "da porta da fazenda para dentro". Desde então, destaca o comandante da ATP, terminais privados fizeram altos investimentos nas regiões de Tapajós, Itacoatiara, Barcarena e Vila do Conde. Esses aportes financeiros possibilitaram a formação de uma oferta portuária bastante razoável no Arco Norte.


As deficiências logísticas dos trajetos até estes terminais portuários, todavia, são evidentes e muito graves. Barbosa destacou, no âmbito terrestre, a necessidade de conclusão do asfaltamento da rodovia BR-163 e da implantação da Ferrogrão. O trecho ferroviário poderá cumprir um papel estruturante para o escoamento da produção de milho, soja e farelo de soja do estado do Mato Grosso, prevendo-se ainda o transporte de óleo de soja, fertilizantes, açúcar, etanol e derivados do petróleo até os portos do Arco Norte.

Conteúdos relacionados
* Ferrogrão e ligação com Arco Norte são metas mais ambiciosas, diz ministro em conversa com Bial
* Temáticas que reluzem no setor de transportes, portos e o Arco Norte como solução
* Ferrovia Norte-Sul, condições naturais e demandas de graneis sólidos e líquidos possibilitam crescimento das operações no Arco Norte

Outra defesa da ATP é o aumento da profundidade da Barra Norte do Rio Amazonas, hoje limitada a 11,7 metros. "Para que um navio do tipo Panamax saia totalmente carregado precisamos de uma profundidade de pelo menos 13,3 metros para justificar novos investimentos dos associados". Neste sentido, diz Barbosa, estão sendo realizados estudos em parceria com a Marinha do Brasil e com a Secretaria Nacional de Portos, cujos indícios apontam que alcançar 12,5 metros é perfeitamente viável.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

Vídeo em destaque