Terça, 16 Julho 2024

O aperfeiçoamento da sociedade é a otimização da geração e utilização de energia.

A aprovação no Senado do texto-base do marco legal da produção do hidrogênio verde (H2), de baixa emissão de carbono, produzido com eletricidade oriunda de fontes de energia limpas e renováveis, como a as de matriz hidrelétrica, eólica e solar, vai impulsionar a transição energética e o desenvolvimento sustentável. Assim, atrair investimentos, fomentar uma nova economia e progresso. As metas globais de emissão de carbono exigirão grande expansão e aceleração de produção e importação de hidrogênio renovável.

usina verde
Foto AdobeStok: Usina de HIDROGÊNIO VERDE

Veja mais: Túnel submerso do Porto de Santos precisa ocorrer - Portogente

Ao aprovar um marco com ampla abrangência e garantindo segurança jurídica na produção, comercialização e aplicação do hidrogênio verde, adequado à descarbonização, o Brasil posiciona-se para participar no amplo e próspero negócio global de energia limpa e renovável. Uma iniciativa eficiente na produção de energia, exigente de alta tecnologia e solução inovadora, para as quais o País tem competitividade destacada.

Veja mais: Energia solar na neoindustrialização do Brasil - Portogente

O hidrogênio verde, além de ser uma energia versátil que pode ser aplicada na descarbonização de ampla faixa de setores, também pode ser utilizada na forma de derivativos como o metano, amônia e substituir combustíveis, como o carvão e gás. Realidade anunciada há mais de meio século, está em curso um importante processo de transição energética. Mundialmente, 40% da emissão do dióxido de carbono tem origem na produção de eletricidade; 60% restante dessa emissão são provenientes da indústria, mobilidade e outros.

Veja mais: Para carbono zero até 2050: Portos do Brasil, uni-vos! - Portogente

Para dar uma amostra desse processo, a empresa australiana Fortescue planeja investir U$ 5 bilhões em projeto para produzir hidrogênio verde no complexo industrial e portuário de Pecém, no Ceará. Um potencial de produzir 837 tons por dia, utilizando 2.100 MW de energia renovável e gerar 5.000 postos de trabalho durante a fase de construção. Hidrogênio verde e suas tecnologias são considerados fundamentais para a transição energética comprometida com a mudança climática.

Veja mais: Hidrogênio verde: o combustível do futuro - Portogente

Há muito o Porto de Santos mantém-se indiferente a ser um complexo portuário fomentador de energia limpa. Razão da Tecsis, fabricante e exportadora de pás eólicas, com uma logística ineficiente, ter encerrado as suas atividades em Sorocaba/SP. Tivesse o prefeito de Bertioga e a autoridade portuária visão e atitude, esse município contíguo ao porto e com conexão por água de excelência com o porto, hoje estaria implantado e operando um complexo competitivo na produção de geradores eólicos.

Veja mais: Pás eólicas para exportação se fabrica nos portos - Portogente

Entretanto, se o avanço tecnológico projeta um horizonte de modernidade e realizações, tramitam dois Projetos de Lei sobre energia renovável, no Congresso Nacional, que, conforme o jornal O Globo, “escondem, sob alegadas preocupações com o meio ambiente, subsídios desnecessários que, se não forem barrados, encarecerão a energia eólica e a microgeração distribuída com placas solares para a população de baixa renda”. Denúncia alicerçada em dados técnicos, suficientes para obstruir o progresso de tão nocivos propósitos.

Veja mais: O Sol a Serviço do Brasil - Portogente

Curta, comente e compartilhe!
Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*O Dia a Dia é a opinião do Portogente

Deixe sua opinião! Comente!
 

 

banner logistica e conhecimento portogente 2

EVP - Cursos online grátis
seta menuhome

Portopédia
seta menuhome

E-book
seta menuhome

Dragagem
seta menuhome

TCCs
seta menuhome
 
logo feira global20192
Negócios e Oportunidades    
imagem feira global home
Áreas Portuárias
seta menuhome

Comunidades Portuárias
seta menuhome

Condomínios Logísticos
seta menuhome

WebSummits
seta menuhome
 

 

 

ecoporto