Neste momento a China está se recuperando do surto de Covid-19 que se originou em Wuhan, província de Hubei, com fábricas voltando amplamente à produção em tempo integral e funcionários de escritórios nas principais cidades com 50% da sua capacidade. A demanda reprimida, no que continua sendo o maior mercado consumidor do mundo, também viu varejistas como a japonesa Uniqlo e a Apple de San Francisco reabrirem todas as suas lojas. O Índice de Confiança do Consumidor da China está no seu nível mais alto em cinco anos.

No entanto, isso ocorreu exatamente ao mesmo tempo que ocorreu a disseminação do Covid-19 na Europa e nos Estados Unidos. Com essas duas áreas aparentemente incoerentes e caóticas ao lidar com o problema, os casos no Ocidente estão aumentando rapidamente. É irônico, assim que a indústria da China começa a se recuperar, as fábricas européias e norte americanas estão enfrentando semanas de inatividade e perda de produção.

brasilchina 2020

Leia também
* Drones facilitam entrega de medicamentos no combate à Covid-19
* Balbúrdia e pandemia

De fato, isso representa uma oportunidade para exportadores brasileiros e de outros do Mercosul. A China, que está se recuperando do bloqueio imposto desde o final de dezembro, agora quer comprar - exatamente quando a União Europeia e os EUA estão entrando em hibernação por coronavírus. Dada a relativa falta de disciplina civil nessas regiões em comparação com a China, pode-se esperar um tempo de inatividade maior. Exportadores e empresários sul-americanos podem tirar vantagem e olhar para a China onde a recuperação começa.

A China é o nosso parceiro comercial e o Brasil ganhou volume de transações durante a guerra comercial EUA-China. O mesmo deve acontecer à medida que os EUA entram em bloqueio e não conseguem fornecer à China as mercadorias de que precisam - embora por razões relacionadas ao novo coronavírus, e não à política. A China também é o maior parceiro comercial do Uruguai e Paraguai e o terceiro maior da Argentina.

Embora a China esteja comprando muitas commodities da América Latina, também existem oportunidades para pequenos comerciantes, especialmente nos mercados de consumo.

Os leitores podem se surpreender ao notar que Cha-Cha, a dança Cubana, tem sido um ritmo popular para manter a forma em toda a China, que remonta aos dias de amizade entre Fidel Castro e o presidente Mao. Ainda é comumente visto como parte do Tai Chi matinal - aulas de ginástica - em todo o país, e é muito amado. Esse fenômeno explica a fácil aceitação e popularidade de restaurantes, bares e boates com temas latinos em toda a China.

Enquanto o vinho chileno está há muito tempo nas prateleiras dos supermercados chineses, os vinhos das outras regiões do Mercusol não têm, e o mesmo se aplica a outros consumíveis, de molhos a especiarias.

A capacidade do Mercosul de exportar sua culinária para a China ficou para trás dos chilenos. No entanto, existem mais de 200 restaurantes e bares sul-americanos nas três principais cidades de Pequim, Xangai e Guangzhou. Pode-se encontrar uma garrafa de vinho de algum dos produtores Mercosul? Isso é muito raro.

O Brasil, em particular, exerce muito fascínio sobre os consumidores chineses. Quando o time nacional de futebol chinês falha inevitavelmente novamente em se classificar para as finais da Copa do Mundo, o Brasil é o time nacional favorito a ser adotado. Essa boa vontade pode ser bem utilizada quando se deseja vender a consumidores chineses.

Há também a questão de uma atitude em declínio na popularidade em relação aos Estados Unidos - muitos consumidores e fábricas chinesas se sentiram estigmatizados pela guerra comercial EUA-China e começaram a sentir que as políticas de Washington vitimam os chineses e criam incerteza na cadeia de suprimentos. Isso levou a uma redução no apelo de produtos fabricados nos Estados Unidos. Por exemplo, a Apple - que costumava ser uma marca líder em telefones celulares na China agora caiu para a sexta posição. As marcas americanas não são tão desejáveis ​​como eram no passado, enquanto no Brasil os produtos americanos são onipresentes.

Isso significa que muitos fabricantes brasileiros podem assumir que as marcas americanas são as melhores do mundo e, em muitos casos, isso é verdade - com exceção da China, onde uma base de consumidores jovem, rica e cada vez mais em tendência quer algo novo. O desafio para os fabricantes brasileiros e baseados no Mercusol é agora, já que os Estados Unidos devem entrar em um modo de baixa produção com problemas no Covid-19, ao mesmo tempo em que uma China cautelosa, mas em recuperação dos EUA, está mostrando fortes sinais de crescimento do consumidor, é como eles podem investir para entrar nessa lacuna de mercado.

Chris Devonshire-Ellis é o presidente da Dezan Shira & Associates. Patricia Varejão assiste a mesa da América do Sul. Sua empresa tem 28 escritórios na Ásia e várias centenas de funcionários, auxiliando investidores estrangeiros na China e na Ásia e pode ajudar com pesquisas de mercado, importação, impostos e questões de estabelecimento comercial. Entre em contato com Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.  ou visite www.dezshira.com 

 

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s