Em fevereiro deste ano, mudanças na cadeia global de suprimentos ocorreram devido ao surto de coronavírus (Covid-19) na China. A Samsung por exemplo, transferiu parte de seu processo de montagem para o Vietnã, pois as fábricas chinesas estavam abaixo da capacidade operacional. Esse problema foi causado pelo fato de os trabalhadores das áreas afetadas pelo vírus não poderem sair devido às condições de quarentena impostas em partes do país.

Um porta-voz da empresa disse ao Financial Times que o governo vietnamita estava "restringindo o volume diário de transporte da China para o Vietnã por meio de rotas terrestres, mas estamos lidando com isso aumentando os suprimentos de peças da China por meio de aviões e remessas".

smartphone fabParte da montagem de smartphones foi deslocada para o Vietnã - Imagem: China Briefing

Leia também
* China procura terminal de grãos para compra e estuda investir em novos trechos ferroviários no Brasil
* China mostra caminho para interromper disseminação do novo coronavírus

A Samsung é a maior fabricante mundial de smartphones e produz quase dois terços de seus telefones, incluindo os mais recentes modelos dobráveis ​​e o Galaxy S-20 5G, em fábricas nas províncias de Bac Ninh e Thai Nguyen, em território vietnamita. No entanto, a crise do coronavírus deixou os fabricantes do Vietnã, de propriedade local e estrangeira, vulneráveis ​​em áreas de eletrônicos a tecidos e calçados, porque muitos têm cadeias de suprimentos que dependem da China. Como as fábricas no Vietnã retomaram as operações após o feriado do ano novo lunar de Tet, as empresas encontraram a fronteira com a China fechada ou restrita ao comércio em ambas as direções. Na época, o Vietnã havia registrado apenas 16 casos de Covid-19.

A mudança para transferir parte das instalações de produção chinesas para o Vietnã começou quase 15 anos atrás, com a Dezan Shira & Associates, empresa de serviços profissionais que auxilia investidores estrangeiros na Ásia, muito na vanguarda da onda inicial de negócios em expansão e evolução para outras partes da Ásia. "Isso foi parcialmente para reduzir a exposição ao risco da China e, em parte, como vimos que o déficit no custo de produção do Vietnã versus capacidade de produção estava diminuindo", diz Chris Devonshire-Ellis, sócio fundador da Dezan Shira & Associates. Os serviços prestados pela Dezan Shira & Associates em seus três escritórios no Vietnã incluem fornecimento de instalações sob medida para fábricas e escritórios, estabelecimento legal, corporativo e consultoria tributária, além de consultoria contábil e auditoria.

Patrícia Varejão - Head of the South America Desk Dezan Shira & Associates - E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

O que você achou? Comente