Segunda, 27 Mai 2024

 

A sociedade política existe com a finalidade das nobres ações ( Aristóteles)

A tragédia das chuvas sobre o Rio Grande do Sul, com muitas mortes e perdas incalculáveis, expõe uma situação carente de medidas corretivas, do político às providências de engenharia. Oito meses atrás, as enchentes no Vale do Taquari causaram a morte de 50 pessoas. Portanto, menos discursos politiqueiros e mais ações de engenharia. É preciso planejar o futuro com um olho na história e o outro na ciência.

RS
Foto: Agência Brasil/Divulgação

Veja mais: Sobre o Porto de Porto Alegre

Há três razões para um sistema hídrico transbordar: 1) chuvas intensas; 2) impermeabilidade dos solos e 3) drenagens insuficientes, decorrentes de rios e lagos assoreados. Essas três razões isoladas ou combinadas podem criar a catástrofe e, nesse caso atual, ocorreram as três simultaneamente. O Rio Guaiuba ultrapassou a marca de 4,5 metros, no Cais Mauá. Há um histórico de enchentes no Rio Grande do Sul.

Veja mais: O debate político da relação Porto e Cidade de Santos nas redes virtuais

À exceção da primeira razão, consequência de fenômenos naturais, como é o caso do La Niña que provocou as chuvas do sul e de previsibilidade meteorológica, obras mitigam as outras duas. Na cidade, quando mais impermeabilizada, a água não infiltra e chega rápido no corpo d’água, enchendo-o. Esse trecho assoreado não dá conta da vazão, transborda e inunda. Como o assoreamento é invisível e essas obras não trazem visibilidade, o gestor público tende a não manter os rios dragados, como devem ser.

Veja mais: Chuvas em Santa Catarina deixam milhares de desabrigados em Blumenau

Um programa regular e efetivo de desassoreamento é fundamental para manter os rios com vazão máxima. Especialmente no Rio Grande do Sul, cuja superfície de água é relevante, o cuidado deve ser redobrado. Há engenharia para mitigar essa ameaça terrível. Complementarmente, conter a água a montante. Por falta de medidas baseadas na ciência e de gestão pública eficaz, muitas vidas foram ceifadas.

Veja mais: São Paulo no escuro

Outras tragédias por chuvas já atingiram o Rio Grande do Sul. Como já divulgado pela imprensa: nada do que ora acontece deixou de ser previsto pela ciência. Medidas preventivas adequadas, ainda que não contenham o fenômeno da natureza, evitam mortes e reduzem os prejuízos materiais. Trata-se de políticas e gestão adequadas.

Veja mais: Olhar atento do presidente Lula ao Porto de Santos

Curta, comente e compartilhe!
Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*O Dia a Dia é a opinião do Portogente

Deixe sua opinião! Comente!
 

 

banner logistica e conhecimento portogente 2

EVP - Cursos online grátis
seta menuhome

Portopédia
seta menuhome

E-book
seta menuhome

Dragagem
seta menuhome

TCCs
seta menuhome
 
logo feira global20192
Negócios e Oportunidades    
imagem feira global home
Áreas Portuárias
seta menuhome

Comunidades Portuárias
seta menuhome

Condomínios Logísticos
seta menuhome

WebSummits
seta menuhome
 

 

 

ecoporto