Mais uma vez vem da área técnica, onde tem o saber científico, uma frase lapidar para os dias que estamos enfrentando no Brasil a partir da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Murilo Pinheiro, presidente do sindicato paulista dos engenheiros (Seesp), assertivamente faz um apelo de que o momento é para "salvar vidas e evitar o caos socioeconômico".

600 BSB CoronaHigienização de espaços públicos em Brasília no combate à pandemia. Fotos Públicas: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília.

"Viver uma pandemia mundial de um vírus desconhecido é experiência que ninguém gostaria de ter", pontua, para acrescentar: "No entanto, cá estamos nós, às voltas com esse imenso desafio. Além de ameaça à saúde e à vida de milhares de pessoas em todo o mundo, essa situação provoca inevitável paralisação das atividades econômicas, o que obviamente tem consequências."

Por isso, indica Murilo, no plano econômico, "a saída é o Estado agir, e rapidamente". Para tanto, receita que é preciso uma forte atuação pública, "deixando de lado os dogmas fiscalistas".

O engenheiro cita artigo do professor José Luís Oreiro que também aponta para a possibilidade de retomada da economia real, desde que o Estado faça sua parte para evitar o caos social que seria gerado por ainda mais milhões e milhões de brasileiros desempregados.

Oreiro explica: “No debate brasileiro atual sobre os custos do enfrentamento do coronavírus, existe uma enorme confusão conceitual entre custos financeiros e custos econômicos. A não ser que a pandemia no Brasil cause um número muito grande de mortes na força de trabalho (o que depende, em parte, do sucesso das políticas de isolamento social), a capacidade produtiva da economia brasileira será pouco afetada pelo vírus. Com efeito, a infraestrutura pública e o parque industrial ficarão totalmente intactos, e a força de trabalho sofrerá (oremos) uma pequena redução. Isso significa que, do ponto de vista puramente econômico, o Brasil sairá da crise tão rico (ou tão pobre, depende do ponto de vista) como era antes. O problema que poderemos enfrentar no pós-crise será de demanda, ou seja, de como assegurar um nível razoavelmente normal de utilização dos recursos produtivos existentes; não um problema de oferta.”

Murilo finaliza: "Ou seja, se o Estado tomar a medida ousada de gastar o necessário, deixando de lado os caprichos do mercado financeiro, pode proteger sua população, o que significa também preservar mercado interno e força de trabalho para operar a máquina que ainda existirá quando pudermos retomar a normalidade. É hora de pensar e agir como gente grande."

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*O Dia a Dia é o editorial do Portogente publicado de segunda a sábado e expressa fielmente a posição coletiva dos responsáveis pela redação do website