Conhecida como concorrência monopolista ou monopolizadora, é um tipo de concorrência imperfeita em que são produzidos produtos distintos, porém, com substitutos próximos passíveis de concorrência, não exercendo um monopólio e não vivendo a situação de concorrência perfeita, por isso esse tipo de estrutura de mercado é considerada intermediária entre a concorrência perfeita e o monopólio.

Dessa forma, cada organização apresenta algum poder de mercado que acaba por persuadir o preço dos seus próprios produtos ou serviços. Assim, esse produto particular é diferenciado dos produtos dos outros concorrentes.

Cada empresa funciona como um pequeno monopólio - a maior ou menor proximidade de uma situação de monopólio depende do grau de diferenciação (e portanto do grau de substituição) existente entre os diferentes produtos oferecidos: se esse grau de substituição é reduzido, a concorrência será maior e está mais próxima da concorrência perfeita; se o grau de substituição é elevado, a concorrência será mais reduzida e está-se mais próximo de uma situação de monopólio.

Essas características acabam atribuindo um certo poder sobre o preço de seu produto, apesar do mercado ser competitivo (daí o nome concorrência monopolística). Os produtos podem ser iguais, mas cada empresa vai tentar diferenciar seus artigos. Os maiores exemplos disso estão nas prateleiras dos supermercados, como os cereais: apenas de se lidar do mesmo produto alimentício (cereais) existem diversos formatos, embalagens, gostos, texturas e outras formas para se diferenciar de seus concorrentes.