Joao boneco* Analista político e consultor sindical

Os povos do mundo, cada um a seu modo, estão enfrentando a epidemia global do coronavírus. Infeliz do país que não tem, numa hora dessas, uma liderança forte, esclarecida e respeitada por todos.

O povo brasileiro infelizmente terá que enfrentar o coronavírus sem uma liderança assim; basta listar o nome dos que poderiam subir ao pódio para constatar a vacância.

Para garantir a necessária união nacional contra a epidemia é preciso somar os esforços de todas as lideranças atuais, na sociedade civil e no Estado, capazes de exercer em suas áreas de atuação e com suas responsabilidades um papel ativo.

Os dirigentes sindicais, diretamente vinculados ao mundo do trabalho, têm a imensa responsabilidade de assim agirem.

Não é hora de palavrório vazio, nem de planos detalhistas, inexequíveis e enganadores. Não é hora de acertarmos as contas com uma situação de fragilidades e desigualdades preexistentes.

É hora de evitar o pior e agir como liderança.

Agir de forma a garantir o endosso social e o respeito às normas públicas de saúde e prevenção.

Agir de forma a garantir a prestação salarial aos trabalhadores informais e as prestações sociais aos mais pobres.

Agir de forma a garantir e ampliar o seguro desemprego, evitando ao máximo as demissões.

Agir de forma a garantir a negociação coletiva e não a selvageria individualista e autoritária nos contratos formais de trabalho, respeitando os acordos e convenções coletivas.

Agir de forma a garantir um pacto produtivista com os empresários para a reconversão dos aparatos produtivos e pela logística da produção de bens em tempos de guerra.

Agir de forma a garantir que o Estado faça gastos emergenciais ilimitados para o SUS e para a proteção dos trabalhadores e das empresas.

Agir de forma a garantir que a unidade de ação das direções reflita as necessidades da massa trabalhadora e seja por ela valorizada e acatada.

Agir de forma a garantir a derrota do coronavírus eliminando a Covid-19.

A hora é agora. Menos desorientação, menos divisão, mais solidariedade e união nacional.

Que o Congresso Nacional devolva a absurda MP 927, uma medida à moda do “véio da Havan”.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.