A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, anunciou nesta quarta-feira (4) que vai criar mecanismos para desburocratizar o Registro Experimental Temporário (RET) de agroquímicos utilizados na agricultura para reduzir o prazo do registro final desses produtos.

Em entrevista coletiva após a inauguração de dois novos laboratórios da Bayer CropScience, na cidade de Paulínea (SP), ela informou que a ideia é tratar os produtos importados para o estudo de moléculas e desenvolvimento de novos produtos como químicos convencionais. “Isso facilitará a pesquisa”, defendeu.
 
O Ministério da Agricultura, segundo Kátia Abreu, também quer duplicar o número de agrônomos para agilizar a análise desses produtos, antes da liberação comercial. “Cada técnico analisa 40 processos por ano e duplicaremos a quantidade de agrônomos para que tenhamos número maior de produtos analisados”, disse.
 
“Temos não mais de que 100 técnicos operando agroquímicos no país e vamos ainda formar pessoas no Brasil todo para multiplicar esses operadores”, observou.
 
A ministra disse ainda que o corte de R$ 30,5 bilhões, determinado pelo governo, do Programa de Sustentação do Investimento (PSI) foi focado na demanda por esses recursos. Ela informou que o governo levantou os dados sobre o desempenho desses empréstimos, principalmente para os grandes produtores, e observou uma procura “baixíssima”.
 
“Nós levantamos, antes de dar o grito, o desempenho dos empréstimos e, principalmente para os grandes produtores, a tomada foi baixíssima nesse período. A redução proposta foi exatamente em cima da demanda, pois, se tivesse tido procura, não tinha mais nenhum real", acrescentou Kátia Abreu.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

O que você achou? Comente