Porto marítimo é uma entidade complexa e dinâmica com a interação entre os vários agentes da cadeia logística, disparidades regionais e diferentes modernizações.

Com alarde, a diretoria do Porto de Santos anuncia iniciativas de arrendamentos realizados de forma descuidada, afoita e sem uma estratégia que aponte uma modernização da gestão portuária. Carente de contexto, limitam o processo de desestatização do principal porto do Hemisfério Sul. Ainda que investimentos sejam necessários para atenuar a crise que sufoca o Brasil, conveniências de ganhos ocasionais não podem matar a galinha dos ovos de ouro.

Porto de Santos

Leia também 
Desestatização dos portos de Santos e São Sebastiao apartados

Tratar o porto como boxes comerciais temporários, desconsidera o conceito de modernização da gestão portuária baseada no modelo de governança. A começar por explicar como e para onde ele deverá crescer, levando em conta as características insular e estreita da cidade, que exigem preocupação com aspectos sociais e ambientais. Ao colocar atividade do porto do futuro no já esgarçado projeto do ano de 1892, sem engenharia, obstrui a principal artéria do Porto de Santos.

Editorial 
Desestatização do Porto de Santos ameaçada

Um horizonte estranho ao processo de desestatização, que está anunciado como um caminho para o futuro do porto, tal qual o do Eduardo Guinle, no século XIX, quando venceu a concessão por 90 anos. Construiu um porto estado da arte. Diferente de propor um “patchwork”, com retalhos oportunistas. É imperioso o basta do presidente Bolsonaro, que nunca visitou o principal porto brasileiro, mas cancelou agendamento feito, e volta e meia frequenta a região.

Nossa palavra 
Nossos portos têm mais Brasília e menos Brasil

O fato do presidente da Autoridade Portuária, Fernando Henrique Passos Biral, estar há pouco tempo no cargo, não ser do ramo e morar fora da cidade, aponta carência nas percepções das linhas estratégicas de expansão do porto. Porto é lugar de muitos fluxos interativos exigentes de harmonia. Em especial, na relação Cidade e Porto. São graves os riscos à cidade, no condomínio onde se armazena granel químico no Porto de Santos.

Da Redação 
Sem informação sobre investigação de pagamento de dragagem da Dragabrás

Diante do quadro desnorteado na gestão do Porto de Santos e ameaçador da vida da cidade, resta à Câmara Municipal de Santos cumprir o seu papel original de bem verear. Afinal, o Porto de Santos é tão porto, quanto cidade.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*O Dia a Dia é o editorial do Portogente publicado de segunda a sábado e expressa fielmente a posição coletiva dos responsáveis pela redação do website

O que você achou? Comente