Artigo do presidente do Grupo CCR, Leonardo Vianna, na Folha de São Paulo, passa a impressão de pretender com metáforas induzir à desatenção do passado recente de tanta corrupção e com casos na Justiça ainda inconclusos, envolvendo uma das maiores concessionárias de rodovias e serviços brasileiras. É um setor que tem fortes reflexos na economia nacion. Segundo dados do Banco Mundial, 58% do transporte de cargas e passageiros são realizados por meio de rodovias no Brasil.

600 Infraestrutura atrasadaImagem do Freepik.

Leia também
Rodovias administradas pela CCR são destaque

O atraso de infraestrutura dos nossos transportes deve-se à cartelização que há muito é modus operandi de concessionárias e empreiteiras. Assim, paga-se muito por pouco realizado, com qualidade de execução aquém do possível e necessário. Entretanto, também é fato que essas empresas acumularam um acervo técnico mundialmente reconhecido. Todavia para se corrigir o nível de corrupção que se constatou não serão suficientes meras declarações de estar em conformidade com atos, normas e leis, e compromisso com seu efetivo cumprimento (compliance).

Leia também
Luz do sol nas concessões de rodovias

Tem razão o presidente do Grupo CCR quando afirma que o desafio no País é harmonizar e potencializar técnica-gestão-regulação. Uma agência reguladora não pode ser capturada pelas concessionárias de serviço público, como os tantos, e não poucos, casos ruidosos envolvendo a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Também os acordos milionários, que essa concessionária vem realizando com a Justiça, são prova inequívoca da corrupção ser uma das principais causa do desequilíbrio daqueles três fatores.

Leia também
Ferrovia Norte Sul uma solução custosa

A resultante dessa trinca é o nosso atraso em relação à tantas referências mundiais. Portogente sempre esteve atento ao processo eletrônico de controle de velocidade e da cobrança dos pedágios nas rodovias. E a possibilidade de aumentar o número de multas preocupa os usuários dessas estradas e sobremaneira ao Presidente da República Jair Bolsonaro. Acrescente-se o fato de o Brasil ter o maior percentual de rodovias pedagiadas no mundo, dez vezes maior do que nos Estados Unidos. 

Leia também
Evitar indústrias de multa nas rodovias

Não falta projeto importante para ser implantado em todo o Brasil. Porém, as indesejáveis e danosas intercorrências nessas implantações explicam o fato apontado pelo presidente da CCR, “o Brasil tem ficado muito atrás do bloco de países que olham para a infraestrutura com respeito". Sobre esse atraso, muito tem a explicar e se justificar ao povo brasileiro a empresa presidida por Leonardo Vianna.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*O Dia a Dia é o editorial do Portogente publicado de segunda a sábado e expressa fielmente a posição coletiva dos responsáveis pela redação do website