Mesmo tardia, a escala digital do Órgão de Gestão de Mão de Obra do Trabalho Portuário (Ogmo), do Porto de Santos, é um sinal inequívoco de mudança de paradigma na atividade. As aglomeradas, tumultuadas e sacrificantes “paredes” (pontos) de escala de trabalhador, que simbolizavam o trabalho avulso no porto, serão substituídas por um aplicativo. A partir do próximo dia 1º de julho, a escalação poderá se confirmada de qualquer lugar onde chegar o sinal da internet.

Portos FreepikImagem do Freepik.

Leia também
O Porto de Santos: tecnologias e perspectivas

Algoritmos e inovações como a tecnologia Blockchain serão para o comércio global o que foi para a exploração dos micro e macrocosmo a invenção da lente. Esse aumento na produtividade do capital investido vai exigir que toda organização se transforme em agente de mudança para ter sucesso. Qual será o impacto da automação na logística e cadeias de suprimento? Nesse novo cenário, de empregos suprimidos e empregos gerados: o que o futuro do trabalho irá significar para os empregos, habilidades e salários na cadeia logística dos portos? Sem sombra de dúvida, a administração do porto organizado é fator de desenvolvimento da sua comunidade: geográfica, econômico e socialmente.

Leia também
Indústria 4.0 transformando o mercado de trabalho

Inegavelmente, o arrendamento portuário e a elaboração do Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ), como estabelecimento do processo concorrencial, foram avanços significativos na produtividade da movimentação de carga nos portos brasileiros. Entretanto, permanece o "cabo de guerra" entre grupos favoráveis a modelos distintos de administração dos portos: Landlord Port – exploração de terminais arrendados, pertencentes a portos organizados – e o Fully Privatized Port – exploração de terminais de uso privado. Administração Portuária é um conceito atrelado aos significados de igualdade e justiça.

Leia também
Descentralizar e garantir mais eficiência aos portos

Na área do porto organizado são compartilhadas estruturas e prioridades por uma comunidade portuária competitiva. Contudo, o papel dos portos, em especial o do Porto de Santos como paradigma da reforma portuária, excede a sua área organizada. Ninguém pode pretender afirmar que o modelo mais utilizado no mundo - e nos principais portos - não seja o mais adequado ao mais importante porto do Hemisfério Sul. O caminho inexorável deve ser evolutivo, fruto de período suficiente de experiência do Landlord Port.

Leia também
Cem dias de conflitos no Porto de Santos

Tudo indica que a reforma dos portos irá navegar uma conjuntura política de crises. Convém lembrar que a atividade portuária envolve muitos e não poucos interesses, com forte representatividade em todos os níveis da política nacional. Daí ser adequado navegar as correntes predominantes e favoráveis à descentralização da gestão dos portos no modelo Landlord Port.

Essa é a esperança de gerar outra vez a evolução que a Lei dos portos nº 8.630/93 causou.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*O Dia a Dia é o editorial do Portogente publicado de segunda a sábado e expressa fielmente a posição coletiva dos responsáveis pela redação do website