• Consultor defende landlord e diz que desestatizar só seria justificável em estratégia de longo prazo

    Dando continuidade ao debate sobre modelo de gestão de portos no Brasil, Portogente convidou o experiente consultor portuário, com passagem pela direção do Porto de Itajaí, Robert Grantham, para opinar sobre decisões que possam favorecer um ambiente mais eficaz para a movimentação de cargas nos portos do País

  • Freddy Bussinger: Brasil está limitado aos TUPs "dedicados"

    Ainda hoje, a esmagadora maioria dos Terminais de Uso Privado (TUPs) no Brasil trabalham como  “subespécie” de TUPs: os TUPs “dedicados”. Ou seja, aqueles integrantes de uma dada cadeia logística, por sua vez parte integrante de uma cadeia produtiva (mineração, petróleo e gás, celulose etc)

  • Landlord Port: O que é isso?

    O LandLord Port é um modelo de gestão portuária adotada pelo governo brasileiro, para a exploração do seu sistema portuário. Nesse modelo a infraestrutura do porto é provida pelo Estado, e o setor privado fica responsável pelo fornecimento de superestrutura e pela realização das operações portuárias, por meio de arrendamentos (concessões).

    Existem outros modelos de administração portuária, como o Tool Port e Service Port e o Full Privatize Port, porém, o mais aplicado pelo mundo é o Landlord Port.

    Aprenda mais sobre esse modelo de gestão portuária.

  • Ministro elogia landlord, mas indica estar aberto para aplicar outros modelos em Santos

    Durante discurso realizado na abertura da 17ª Edição do Fórum Nacional para Expansão do Setor Logístico Portuário – Santos Export, em Brasília, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, ressaltou que sua equipe é "fã do modelo landlord", mas está aberta a sugestões voltadas a uma nova natureza para a Autoridade Portuária de Santos que possibilite alcançar eficiência para a exploração de todo o potencial do principal porto do Hemisfério Sul

  • Ministro Tarcísio conhece o Porto de Santos

    Finalmente, na manhã de ontem, o Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, conheceu o Porto de Santos, o mais importante complexo portuário do Hemisfério Sul.

  • Privatização do Porto de Santos (e de outros portos): contexto, análises e opiniões

    De modo geral, os presentes ao debate concordaram ser necessário descentralizar as decisões do setor portuário. A concentração do poder decisório em Brasília esteve presente em vários momentos da vida brasileira e atualmente está agravada pela Lei 12.815/2013. O engenheiro, economista e consultor portuário Frederico Bussinger ressaltou que, desde os tempos do Império, o Brasil é atraído pela "Coroa", tirando autonomia das comunidades instaladas nos complexos portuários

  • Privatização é melhor opção e limita risco da União a condições da outorga, opina Carlos Magano

    Convidado pelo Portogente a opinar sobre os rumos dos portos brasileiros e os modelos de gestão "colocados à mesa", Carlos Eduardo Bueno Magano foi claro em apontar a privatização das administrações como solução mais efetiva no momento, "pois limita o risco da União a condições estabelecidos na outorga", e por possibilitar avaliação de desempenho na aplicação de investimentos que jamais foi efetivado na gestão das "atuais" Autoridades Portuárias brasileiras