Edward Moya*

O JP Morgan iniciou a temporada de ganhos com tudo! As expectativas eram de que os bancos tivessem um início decente depois que vimos a curva de juros se inverter no início de setembro, o que ajudará amplamente a receita líquida de juros para todos os bancos. O JP Morgan registrou um impressionante ganho comercial da FICC, mais de um bilhão de dólares acima da expectativa dos analistas. A orientação do primeiro trimestre foi forte em relação à receita financeira líquida e as ações do maior banco dos EUA foram acentuadamente mais altas. O JP Morgan continua sendo o melhor da categoria no setor bancário e Dimon deve se sentir o rei do comércio de FICC.

Em relação ao consumidor dos EUA, o CEO Dimon declarou: "O consumidor dos EUA continua em uma posição forte e vemos os benefícios disso em nossos negócios de consumo". Os comentários de Dimon sobre o consumidor americano não chocam ninguém, mas fornecem uma confirmação adicional de que a longa expansão nos EUA ainda está forte.

Resumo de ganhos

O JP Morgan e o Citigroup ficaram impressionados depois de apresentar fortes resultados nos mercados bancário e de capitais, enquanto o Wells Fargo apresentou resultados decepcionantes, destacados com despesas acima do esperado. Os fortes resultados do JP e do Citi podem ser um bom sinal para os credores consumidores, o que pode significar um forte resultado do Bank of America, que se reportará amanhã.

A Delta Air Lines apresentou fortes resultados à medida que a demanda aumentou e os preços mais baixos dos combustíveis ajudaram suas margens. A Delta também teve a sorte de não ter nenhum impacto da saga Boeing 737 Max.

Inflação nos EUA

As leituras do CPI dos EUA em dezembro foram mais leves do que o esperado em todos os setores, não mostrando nenhuma pressão real sobre a inflação. A leitura mensal do núcleo da inflação subiu apenas 0,1%, faltando a estimativa de 0,2%, que também foi a leitura anterior. O dólar retrocedeu alguns de seus ganhos anteriores, pois as chances de uma maior flexibilização do Fed, porém, subiram após os dados da inflação. Se as expectativas de inflação sofrerem um novo impacto no final deste trimestre, os mercados começarão rapidamente a precificar com um corte na taxa de 25 pontos-base este ano.

Petróleo

Os preços do petróleo estão mostrando sinais de vida após uma queda de pressão nas vendas que acabou com o aumento de preços da Opep+ mais do que o esperado e os temores da guerra entre EUA e Irã. Os preços do petróleo estão se recuperando provisoriamente depois da forte pressão de venda, enquanto os investidores aguardam os próximos desenvolvimentos na frente comercial e vê uma recuperação forte da demanda global após o acordo comercial da primeira fase.

O petróleo também encontrou algum suporte técnico a partir da média móvel simples de 200 dias. O sentimento de baixa ainda permanece no petróleo, já que os preços não subiram ainda mais, seguindo dados comerciais melhores do que o esperado, o que sugere que a economia da China está mostrando mais sinais de estabilização. As expectativas de demanda provavelmente esperarão até os dados do PIB chinês de quinta-feira para decidir se a segunda maior economia do mundo pode ajudar a impulsionar a recuperação econômica na Ásia. A volatilidade do petróleo pode se acalmar um pouco até obtermos mais detalhes sobre o acordo comercial da primeira fase. Os mercados podem estar se tornando excessivamente otimistas na frente comercial, pois podemos facilmente ver a China com falta de cumprimento de suas promessas e à medida que os EUA aumentam a guerra comercial transatlântica. Os comerciantes de energia também aguardam cautelosamente a próxima escalada do Irã e os riscos de uma interrupção real na produção de petróleo ainda são muito possíveis. Se o petróleo intermediário do oeste do Texas se fixar abaixo de US$ 58 o barril, o momento de baixa pode atingir US$ 55,50 antes que as condições de sobrevenda se tornem aparentes. Os US$ 60 por barril continuarão sendo a principal resistência.

Ouro

Os preços do ouro estão diminuindo à medida que as tensões comerciais diminuem no curto prazo e à medida que a temporada de ganhos nos EUA começa bem. Os bancos estão pintando uma imagem de que o consumidor americano permanece forte e que deve apoiar novos recordes com as ações americanas. A retração do ouro pode continuar com o otimismo contínuo de que o mercado de ações dos EUA é invencível por enquanto, as tensões comerciais e militares diminuem e à medida que o dólar se estabiliza. O ouro continuará sendo o comércio de refúgio preferido e deve começar a ver compradores emergirem em torno da região de US $ 1.520.

Ed Moya 400x400.2e16d0ba.fill 400x400
* Analista de mercado financeiro da OANDA em Nova York

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.

O que você achou? Comente