Thiago Piovesan*

Em meio a um cenário de negócios e tecnologias disruptivas, que estão mudando a forma como nos deslocamos e entendemos nossa relação com a cidade, surgem grandes oportunidades para o mercado de estacionamentos se reinventar. Nos últimos anos, uma série de aplicativos e soluções de mobilidade mudaram a forma como as pessoas se deslocam pelas cidades.

A solicitação de serviços de táxi e carros já são os mais usados via aplicativo pelos brasileiros, representando 32%, a frente dos serviços de streaming e pedidos de comida. Estudos da Indigo, empresa especializada na administração de estacionamentos, mostram que as preferências de mobilidade individual, em diversos países do planeta, variam conforme a distância a ser percorrida, sendo patinete, bicicleta ou outra alternativa de mobilidade compartilhada para distâncias de até 10 km.

Com relação à mobilidade compartilhada, pesquisas apontam que, em 2030, um único carro não será mais a escolha exclusiva para todas as atividades pessoais, serão eleitos diferentes meios de transporte. Isso inclui até mesmo carros compartilhados para passeios, compras, trabalho ou negócios.

Com essas transformações, pode surgir um questionamento: a mudança de comportamento irá acabar com alguns negócios, como o de estacionamentos? A resposta categórica é não.

A frota de veículos nas grandes cidades brasileiras continua sendo uma das maiores do mundo e o espaço disponível nas ruas é cada vez mais disputado. O crescimento da população brasileira de 2015 a 2019 foi de 0,8% em média, já o crescimento da frota de carros, DETRAN, é maior que 3% ano.

Em Paris, a Indigo atuou fortemente a fim de mostrar que o estacionamento pode ser um aliado da cidade, com a construção de garagens subterrâneas, como na Avenida Champs Elysees. Os estacionamentos subterrâneos são responsáveis pela revitalização urbana e por ofertar espaços de convívio social. As imagens da década de 60 da avenida e da realidade atual revelam um espaço exclusivo para carros sendo substituído por um amplo boulevard para pedestres em compras nas boutiques famosas da região.

Com a dificuldade de implantar garagens subterrâneas no Brasil, a Indigo concentra seus esforços em investir no negócio do cliente através de aporte de capital, proporcionando a revitalização de alas hospitalares, a ampliação de shopping centers ou a construção de edifícios garagem. Essas iniciativas trazem melhorias para a sociedade, desde a otimização dos fluxos urbanos até os incentivos privados, que refletem em benefícios nos mais variados segmentos -- saúde, educação, cultura.

Em alguns países do mundo, os estacionamentos já estão funcionando como um verdadeiro ecossistema de todas as inovações, integrando patinetes, carros compartilhados e outras soluções de mobilidade. Para atender às necessidades de todos e aos desafios das comunidades, a Indigo está desenvolvendo no exterior novas soluções de mobilidade individual que são complementares, simples de usar e ecologicamente corretas. Como o INDIGO® Weel, um novo serviço que oferece bicicleta, scooter, self-service e cadeira de rodas elétrica sem a necessidade de estações de acoplamento. No Brasil, a Indigo atua com parceiros estratégicos na oferta de modais de mobilidade.

Com essa experiência e liderança mundial no segmento, a Indigo vem conduzindo esse processo de transformação no Brasil, implementando soluções inovadoras, com sustentabilidade e na velocidade necessária para acompanhar as oportunidades de mercado atuais.

Thiago Piovesan
* É diretor executivo Indigo Brasil

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.