Graneis sojaA entrevista com Luciano Pereira de Souza, abrindo o WebSummit Porto Sustentável, põe luz em três pontos importantes da sustentabilidade em nossos portos: planejamento, conflito legal e fiscalização. Com esse debate em âmbito global, em especial em 2018, que será o ano em que os negociadores de mais de 190 países formalizam a implantação do acordo assiando em Paris no final de 2015, Portogente convoca significativos segmentos das logísticas portuárias nacionais e estrangeiros para debater, trocar experiências e promover soluções relevantes para o aprimoramento da movimentação sustentável de granéis sólidos nos portos.

Leia também
Decisão do STF sobre terminais graneleiros não garante controle ambiental pleno

No caso dos terminais de granéis no Corredor de Exportação do Porto de Santos (SP) que foram implantados à época dos governos militares, na definição da área na foz do canal do porto pesou o custo de manutenção de dragagem para garantir profundidade à navegação de navios graneleros, que exigem grandes calados. Contudo, passados quase quarenta anos, pouco se fez para modernizar esses terminais e evitar os impactos na densa área urbano contígua.

Mais grave ainda é notar terminais instalados recentemente também conflitando com esse tipo de área urbana de característica residencial e sendo atingida uma população significativa. Os impactos provocados pela abundância de material particulado (poeira) em suspensão, decorrente das operações de carga e descarga e armazenagem de farelo de trigo, soja, milho, podem causar danos não só à saúde dos trabalhadores portuários diretamente envolvidos na movimentação, mas às pessoas que circulam frequentemente no entorno do porto ou residam nas proximidades.

Situações de conflitos entre porto e cidade precisam ser enfrentadas com seriedade tanto na elaboração de regramentos como na fiscalização da instalação desses terminais de granéis em áreas portuárias - é bom frisar, tão importantes à exportação brasileira. O futuro auspicioso desses produtos exigem que essas medidas sejam priorizadas.

Como recomenda Souza, o único caminho efetivo, de curto prazo, para reduzir o impacto ambiental dos terminais é a solução proposta no programa de arrendamentos: exigir, nas licitações, investimentos em equipamentos e instalações de mitigação ambiental, como shiploaders modernos com sistemas de captação de poeira e sistemas de telas para retenção de particulado”.

A sociedade brasileira agradece o respeito com que deve ser tratada pelos empreendedores.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s