Segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, as exportações brasileiras de veículos bateram recorde no mês de agosto: o mês acumulou mais de US$ 640 milhões. Entre os fatores que podem explicar essa marca histórica, conforme o órgão governamental, estão incentivos fiscais, como a diminuição em 30% no custo da emissão de documentos entre o Brasil e a Argentina, e diminuição da burocracia. Neste sentido, o governo cita a assinatura do Portal Único de Comércio Exterior, que diminuiu de um dia para meia hora o período para a liberação de certificados de origem.

De acordo com o MIDC, entre os países que compram os carros brasileiros estão países das Américas como: Estados Unidos, Canadá, México, Peru, Colômbia e Equador, e também países africanos como Egito, Senegal, Costa do Marfim e outros.

O setor representa 10% do PIB nacional. O professor de economia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e vice-presidente estadual do Sindicato dos Economistas de São Paulo, Gilson Garófalo, explica que bons resultados na área tem um grande peso na economia brasileira: "É importante a gente frisar os efeitos multiplicativos da indústria automobilística. Ela é uma geradora de empregos e em torno dela temos uma série de empresa satélites, lembrando que a indústria automobilística é praticamente responsável por 10% do Produto Interno Bruto do País.”