A qualidade é medida pelo desvio que uma característica funcional apresenta em relação ao valor dela esperado

O Procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União, Júlio Marcelo de Oliveira, no seu relatório com data de 1 de dezembro último, sobre a desestatização da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa), abrangente aos portos de Vitória, Barra do Riacho, no estado do Espírito Santo, destaca o feito como a inauguração de um novo modelo de gestão e transferência do papel de autoridade portuária para a iniciativa privada. E mais...

Desestatização da Codesa é frágil


Leia também
Valdemar Costa Neto otimiza o horizonte portuário

Quebrou o sigilo sobre as peças desse auto; deferiu os pedidos de vista e cópia integral dos autos formulados pelas ABTP, Fenop, ABTRA e Suport – ES. Nessa linha, também apontou uma série de fragilidades no processo de desestatização e incluiu, na minuta do contrato de concessão, cláusulas relativas à obrigatoriedade de realização de audiência pública ou consulta aos usuários. Ou seja, transparece um programa sem a confiança que deveria ter.

Leia também
Desestatização da Codesa acirra imperativos esclarecimentos

No longo relato, faz também recomendações estranhas como “adotar, no Porto de Vitória, o volume a ser dragado de 282.695,13 m³, em cada intervenção, cabendo ajustar também o volume a ser dragado no Porto de Barra do Riacho, com ciclos de dragagem a cada dois anos”. Da mesma forma, foi escolhida a dedo a relação da comunidade portuária, como amicus curiae, na contramão do conceito moderno do Conselho de Autoridade Portuário – CAP.

Leia também
CAP deliberativo é a voz da comunidade portuária

Utilizar modelo de dragagem baseado no volume, em vez da garantia das profundidades de projeto, é anacronismo prejudicial à produtividade. Pois, navios menores reduzem a competitividade dos produtos. Incertezas de um lado e, de outro, as propostas sem responder todas as perguntas, são sinais de que se revive o compromisso vazio, de campanha exitosa do governo atual, de alçar os portos brasileiros ao patamar dos asiáticos.

Leia também
Desestatização da Docas do ES - CODESA - Webinar Portogente - YouTube

Com metas pujantes quanto reais e focado no principal porto sul-americano, o de Santos, o projeto do Portogente, Santos2050, inova na concepção robusta com foco no desenvolvimento para os próximos 30 anos e visão em investimentos seguros, da ordem de USD $25 bilhões. E aplicável aos demais. Trata-se de um trabalho patriótico e transparente, por competências de excelência portuária no que fazem. Os princípios do projeto estão abertos ao debate.

Leia também
Ministério da Infraestrutura reafirma compromisso em construir túnel submerso como ligação seca entre Santos e Guarujá

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*O Dia a Dia é a opinião do Portogente

O que você achou? Comente