Despertar para uma realidade alcançável e seguir com uma determinação imensa.

Sopram ventos fortes e faz mar grosso no centro de decisão política do Brasil. Nessa navegação pegando mal tempo, ocorre a reforma portuária urgente, pelo programa governamental de desestatização dos portos, de eficácia duvidosa. O acordo político que retirou, dia desses, parte do poder do super ministro Paulo Guedes, faz acender a luz amarela do comando do ministério da Infraestrutura. E vai inquietar o comércio marítimo brasileiro.

600 Portos


Leia também
Santos2050 além de Santos para os portos brasileiros

O ministério dos setores de portos e transportes sempre foi uma preferência dos partidos que compõem o chamado centrão, mal afamado por seu finalismo e como agente das negociações de cargos estratégicos. Se confirmado o anúncio do ministro Tarcísio Gomes de Freitas de concorrer à eleição para governador de São Paulo, ele deverá afastar-se do cargo até 2/4/22. Portanto, terá pouco mais de 8 meses de poder.

Editorial
Santos2050 o maior projeto portuário do Brasil

Três anos atrás, a administração portuária viveu o pior cenário da sua história. A diretoria do principal porto do Brasil, o de Santos, saiu presa pela Polícia Federal. Prova cabal do esgotamento do modelo de decisão centralizada. A atividade portuária envolve muitos interesses, com o objetivo de movimentar a carga com agilidade e segurança. Com força para influenciar a sua hinterlândia ao êxito ou ao fracasso.

Artigo | Adelto Gonçalves 
Indústria: saídas para a crise

A mobilização lobista junto à Câmara Federal, presidida então pelo deputado Eduardo Cunha, hoje preso há 5 anos, aprovou a Lei 12.815/13 para promover uma reforma geradora de privilégio; de custo favorecido e nocivo ao regime concorrencial. Para corrigir e evitar essas disfunções, é preciso legitimar a atual reforma pela participação intensa da comunidade portuária. A fim de promover ajustes que impulsionem o progresso da atividade.

Entrevista especial | Vera Gasparetto 
Para Fiesc, um porto eficiente precisar conectar-se ao mercado

No comércio marítimo, o sistema portuário produtivo precisa atender com eficiência aos negócios dos que mandam e dos que recebem as cargas movimentadas. Assim, também consolidar a produtividade do capital, bem como garantir segurança aos investimentos. Por isso e dando continuidade ao diálogo com os múltiplos atores da atividade, para melhor compreensão das ações necessárias, agora falam exportadores e importadores.

Artigo | Frederico Bussinger
* Peças se movem no xadrez ferroviário

Visando fomentar um processo de reflexão consequente sobre o desempenho exitoso do porto no novo tempo do comércio marítimo internacional, o projeto Santos2050 promove no dia 17/8 o Webinar “A voz da carga no Porto de Santos”.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*O Dia a Dia é o editorial do Portogente publicado de segunda a sábado e expressa fielmente a posição coletiva dos responsáveis pela redação do website

O que você achou? Comente