Dois fatos ocorridos no Brasil, correlatos e relacionados aos Estados Unidos da América (EUA), merecem destaque e análise por envolver, direta e indiretamente, casos muito complexos e estratégicos. E ambos ocorreram de forma sinistra. A rápida passagem do secretário de Defesa americano James Mattis (o Mad Dog) por Brasília, em 13 de agosto deste ano e o desembarque de 96 blindados doados pelos EUA no Porto de Paranaguá (PR), em 3 de outubro último. Trata-se de, e estão em jogo, interesses nacionais: soberania, comércio e desenvolvimento.

Tanques Mattis

Fala-se que fizeram parte das conversas reservadas do secretário americano com os ministros brasileiros da Defesa Joaquim Silva e Luna e das Relações Exteriores Aloysio Nunes, a parceria entre a Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) e a Boeing (empresa americana fabricante de aviões e de foguetes espaciais); o uso do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão, pela Nasa; a privatização de poços de petróleo; o Brasil liderar a solução da questão da Venezuela e a presença marcante da China, principal adversária comercial dos EUA, em território brasileiro. Uma pauta robusta e densa.

Conectando-se a visita do secretário americano e o desembarque dos 94 blindados, com a chegada de mais 30 em janeiro próximo, não se descarta a veracidade das palavras de Mattis ao retornar aos EUA: “A cobra vai fumar.” Utilizando a famosa frase da campanha da Força Expedicionária Brasileira – FEB, na 2ª Guerra.

Leia ainda
* Aluguel de Alcântara ameaça programa espacial brasileiro

Para não faltar fumo no cachimbo da cobra, nesse contexto envolvendo temas tradicionais nos conflitos mundiais, fica cristalino como água que não foi deixado de lado o resultado possível das eleições presidenciais. Por isso, convém também refletir o caso, até então inimaginável, da suposta interferência da Rússia nas eleições que elegeram Trump presidente dos EUA em 2016, e que está sendo investigado pela Justiça Federal. No âmbito das eleições brasileiras, tamanha complexidade pode inflamar a hipótese de fraude nas urnas, volta e meio aventada por Bolsonaro, caso ele não vença.

Leia mais
* Engenheiros contra venda da Embraer

Do que se sabe, no que tange à soberania nacional, alguns generais brasileiros não pactuam com as propostas liberais do economista Paulo Guedes, cotado para ministro de eventual governo Bolsonaro, como a de privatizar a Petrobrás. A empresa petroleira é tratada como ativo estratégico. Decerto, no tocante à autonomia regional, não deve ter sido tratado com simpatia nas conversas com Mattis a posição do Partido dos Trabalhadores, contrária a do ministro Aloysio Nunes, de respeitar a independência da Venezuela.

É certo que os blindados americanos aumentam o poderio militar do Brasil. Entretanto, o que o povo brasileiro deseja e espera é que esse preparo para a guerra seja apenas anúncio de paz.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s