O mundo dos negócios tem se mostrado cada vez mais complexo e agitado, muito em função das mudanças que ocorrem. Com isso, as negociações entre empresas do mundo todo acontecem das mais diversas formas, conforme os interesses em questão.

Mas, para além disso, os negócios também atendem a alguns critérios do mercado de uma forma geral, independente do segmento econômico. Ou seja, há questões que, independente do modelo de negócios, irão interferir direta ou indiretamente nas negociações da sua empresa.

Estas interferências aumentam ainda mais quando se trata de transações internacionais. Conforme os procedimentos e políticas comerciais de cada país, é preciso estar atento a cada aspecto da negociação que possa ser utilizada a seu favor. Dessa forma, um dos fatores que mais geram interferência no comércio exterior é a alta do dólar.

Nas últimas semanas, o dólar vem sofrendo aumentos significativos na sua valorização, especialmente em comparação com o real. Desse modo, alguns aspectos comerciais se tornam mais vulneráveis, devido à instabilidade cambial da moeda norte-americana. Além disso, essa movimentação representa problemas comerciais para os empresários brasileiros.

Um destes problemas, portanto, é em relação às dívidas contraídas em dólar pela empresa, de forma que algumas empresas têm precisado até mesmo recorrer a ajuda financeira, como o empréstimo com garantia, para reorganizar suas finanças.

Seja na aquisição de equipamentos ou na compra de matéria-prima, que muitos empresários fazem no mercado externo. Dessa forma, a moeda de negociação passa a ser o dólar. Com a alta dessa moeda há o risco de a dívida aumentar consideravelmente.

Portanto, para que esse fator interfira da forma menos nociva possível nas negociações da sua empresa, é possível atuar em alguns aspectos. Ao longo desse artigo iremos abordar algumas atitudes que você pode tomar para que a alta do dólar não interfira nas finanças da sua empresa.

Setor varejista pode sofrer consequências imediatas

Apesar de todos os setores da economia sofrerem interferência com a valorização do dólar, há aqueles segmentos em que os reflexos se tornam ainda mais visíveis. Isso ocorre devido às necessidades e demandas de cada empresa, principalmente em relação ao seu público consumidor.

Com isso, é possível afirmar que, aquelas empresas que realizam importações em larga escala, seja de matéria prima, seja de produtos para venda, sofrem de forma mais rápida com a valorização desta moeda. Conforme a importação, os custos do aumento do dólar são repassados de forma direta para os consumidores.

Um exemplo disso é o setor varejista de um modo geral. Com muitos dos produtos comercializados sendo de origem exterior, se torna imprescindível realizar importações destes produtos. Portanto, a alta do dólar interfere diretamente nos preços destes produtos.

Dentre os segmentos que mais sofrem impacto com a alta do dólar, o de tecnologia se destaca, como os smartphones e demais dispositivos de uso pessoal. No entanto, o empresário que deseja conter as interferências do dólar nas suas vendas, alguns procedimentos podem ser fundamentais.

Nesse sentido, uma alternativa é fazer importações em alto volume. Com a compra em larga escala dos itens importados, é possível renegociar os valores. Além disso, caso os preços se mantenham no mesmo patamar, o estoque dará à empresa a possibilidade de controlar os preços repassados aos consumidores, mesmo com a alta do dólar.

Entretanto, para realizar esse movimento, o empresário precisa avaliar todos os aspectos. Dessa forma, é preciso observar a rentabilidade que a importação em larga escala trará para a sua empresa.

Apostar no mercado interno é opção para conter a interferência

Conforme estamos trazendo ao longo deste artigo, o dólar tem uma forte influência no que diz respeito ao mundo dos negócios. Essa interferência ocorre por diversas razões, sendo uma delas o fato de as negociações entre empresas acontecerem de forma cada vez mais globalizada.

Além disso, a fixação do preço de diversos itens em dólar, faz com que a valorização desta moeda interfira diretamente na economia de vários países. Portanto, com esse cenário, parece ser algo bem distante a estabilidade financeira sem contar com as oscilações do dólar.

No entanto, há formas de o empresário reduzir os impactos deste fator nas finanças da sua empresa. Uma delas é apostar no mercado interno como potencial aliado. Conforme o segmento, é possível atender as demandas da empresa com o que é produzido dentro do país.

Além de gerar uma estabilidade maior para as negociações da empresa, o investimento no mercado interno faz com que a economia de um modo geral ganhe novas perspectivas. Porém, para realizar estes investimentos, é preciso contar com um capital financeiro interessante.

Dependendo do setor que você pretenda investir, uma opção pode ser recorrer a um modelo mais barato de crédito, como é o caso do empréstimo com garantia de imóvel e assim poder aplicar sem prejudicar os rendimentos do seu negócio. Dentre as opções do mercado, a modalidade, que é oferecida pela fintech CashMe do Grupo Cyrela, é hoje a mais vantajosa de todas.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.

O que você achou? Comente