A Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) encaminhou formalmente à Praticagem, no último dia 29 de outubro, o projeto de sinalização náutica do Canal de Cotunduba, para emissão de seu parecer técnico, conforme previsto nas Normas da Autoridade Marítima (NORMAM). O “Canal Varrido”, como é conhecido, é o principal acesso aquaviário ao Porto do Rio de Janeiro para navios de grande porte. Assim que houver a apreciação da Praticagem, o projeto será encaminhado à Capitania dos Portos para análise e alteração das cartas náuticas pela Marinha do Brasil (MB), o que se espera acontecer ainda este ano.

Enquanto aguarda o trâmite do documento, o Grupo de Trabalho (GT), formado por representantes da CDRJ, da MB, da Praticagem e dos Terminais Arrendados, iniciou no último dia 06 de novembro, os estudos para promover uma navegação mais segura e eficiente também no Canal Norte- Sul, conhecido como “Barra Grande”, outro acesso importante ao Porto do Rio de Janeiro.

Durante a reunião, Marcelo Villas-Bôas, coordenador do grupo e Gestor do VTMIS (Sistema de Gerenciamento e Informação do Tráfego de Embarcações) do Porto do Rio de Janeiro, atualizou os presentes sobre o andamento do projeto de implementação do calado dinâmico. Segundo ele, os testes com manobras de navios conteineiros para validação do software “Redraft” deverão estar concluídos ainda esta semana. Assim sendo, na próxima reunião, marcada para dezembro, o relatório final das corridas será apresentado ao GT. A medida visa aumentar o calado operacional sem prejuízos à segurança da navegação, otimizando o uso dos canais de acesso.

Outro assunto que passou a ser discutido pelo grupo foi a atualização da Instrução Normativa da CDRJ nº 60/2017. Essa norma trata sobre calados máximos de operação dos navios, bem como dos procedimentos técnico-operacionais para o acesso marítimo ao Porto do Rio de Janeiro.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.

  escreva corporativas