O Aeroporto Internacional Hercílio Luz, em Florianópolis (Santa Catarina), voltou ao centro das atenções nas últimas semanas com o anúncio do investimento de R$ 293,8 milhões para ampliar o número de passageiros para 6,7 milhões ao ano com a construção de um novo terminal. Os recursos são da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), da Prefeitura de Florianópolis para desapropriação e do Governo do Estado para a duplicação das rodovias de acesso. O presidente da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), Alcântaro Corrêa, está preocupado porque o projeto de ampliação é antigo, originalmente de 2004.

“O projeto que será executado a partir de 2011 foi apresentado em 2004, quando o aeroporto já registrava movimento superior à capacidade. O aeroporto hoje está em terceiro lugar na lista dos terminais em situação crítica e que operam acima do limite”. 


Alcântaro Corrêa, presidente da Fiesc, está preocupado com
projeto para a expansão do Aeroporto Hercílio Luz: "é de 2004"

Localizado no Bairro Carianos, o aeroporto sofre com problemas do sistema viário, cercado por uma região de grande concentração populacional e tráfego intenso, que dificulta o acesso, como o fluxo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). A conclusão do Viaduto no Trevo da Seta, que dá acesso ao Hercílio Luz e à rodovia SC-405, que leva ao Sul da Ilha de Florianópolis, foi insuficiente para resolver os problemas de mobilidade urbana na região.

A primeira etapa de investimentos prevê obras de infraestrutura, como terraplanagem e a construção do novo Terminal de Passageiros no outro lado da pista, além da ampliação do sistema viário. A conclusão está prevista para o início de 2014.

 Foto: Infraero
Segundo Corrêa, uma pesquisa realizada em 2004 pela Federação constatou uma evasão de cargas aéreas (exportação) para outros estados de cerca de 80%. "Os indicativos são de que este índice se mantém, pois o problema é estrutural, falta investimentos no setor, o que resulta na concentração da movimentação de cargas nos aeroportos de Cumbica e Guarulhos (São Paulo). Esta situação resulta em aumento do frete e da movimentação de caminhões em nossas rodovias para serem embarcados nestes outros aeroportos".

Na avaliação do presidente da Fiesc, os aeroportos catarinenses de Florianópolis, Navegantes e Joinville, de responsabilidade da Infraero, necessitam de ampliação e modernização. “Uma boa alternativa para cargas é o aeroporto de Jaguaruna que apresenta boas condições para também operar com passageiros”.

A assessoria de imprensa da Infraero informou que, em 2010, o Aeroporto de Florianópolis teve um crescimento de 26,61% no movimento de passageiros, com uma movimentação de 2,7 milhões de pessoas e 43.399 operações de pouso e decolagem.

Leia também

* Alguns puxadinhos vieram para ficar, diz presidente da Infraero

* Vários problemas que ocorrem nos aeroportos não são de responsabilidade da Infraero

* Sem decisão política Infraero tem dificuldade em realizar obras

* Trabalhadores do setor aeroportuário vão discutir privatização em assembleias

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s