A Associação dos Usuários dos Portos da Bahia (Usuport) divulgou indicadores oficiais que escancaram as barreiras de infraestrutura portuária à competitividade das empresas baianas. Os estudos mostram, por exemplo, que 49% do comércio exterior da Bahia não dispõem de serviço regular marítimo direto e ressaltam que a espera para atracação de navios em 2010 é estimada em mais de 1.500 dias.

* Diretor da Usuport quer que Dilma “destrave” os portos do País
* Produtores de cacau do Sul da Bahia tentam se recuperar
* Presidente da Codeba garante término da dragagem até o final do ano

Já o Custo Bahia – estimativa feita com base no que as empresas pagam do próprio bolso por não terem infraestrutura e serviços portuários adequados – está estimado em R$ 358 milhões apenas nos últimos 12 meses. Durante a realização do 6º Encontro Anual de Usuários, realizado em Salvador, o presidente da Usuport, Marco Martins, reclamou da insuficiência da rede de transportes.

“Estamos ilhados em termos de portos e ferrovias e ainda contamos com rodovias insuficientes. Chegou a hora de mudar esse cenário, unindo forças, aglutinando entidades. Temos poder intelectual para isso e quem sabe guindar a Bahia a uma das cinco maiores economias do País, até 2025.”

O diretor-executivo da Usuport, Paulo Villa exemplifica as preocupações dos baianos em uma rápida comparação entre a Bahia com Santa Catarina, dois estados com condições econômicas similares, porém diferentes realidades logísticas. “A Bahia, embora possua a maior extensão de litoral entre todos os estados, tem um terminal de contêiner, em Salvador. Este é composto por dois berços e só um é aparelhado com dois portêineres de tamanho limitado a navios Panamax. Isso é ruim”.

Estados

Participação no PIB do Brasil

Berços/Guindastes em 2012

Linhas navegáveis

Bahia

4,0%

2/5

Entre 6 e 8

Santa Catarina

4,1%

10/21

Mais de 30

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s