O Brasil vive a pior seca dos últimos 91 anos. Os reservatórios estão em declínio, principalmente os da região Sudeste. Diante dessa crise hídrica, a justificativa tem sido a de que o período chuvoso foi insuficiente para abastecer as bacias hidrelétricas. Sem o despacho térmico a situação poderia estar muito mais desconfortável, com possível racionamento de água.

Crise hídrica

O presidente da Associação Brasileira de PCHs e CGHs (Abrapch) Paulo Arbex, comenta que o problema é conjuntural. “A crise é de gestão e não de recursos hídricos”, disse ele. Não há falta de água no Brasil, existe deficiência de reservatórios, que não foram projetados anteriormente e nem dimensionados para atender a demanda.

Em outros países como, por exemplo, a China há 23 mil hidrelétricas e 47 mil reservatórios e outros 24 mil para irrigação, abastecimento de água à população etc. A Alemanha tem 7 mil e 300 hidrelétricas, sendo que a hidroenergia é prioridade nacional. A Noruega gera 94% de sua energia por meio de hidrelétricas. Todas essas economias demonstram que é possível atender o mundo com hidroenergia.

Os dados mais recentes sobre capacidade instalada e geração de energia divulgados pelo Operador Nacional do Sistema (ONS) e pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), confirmam que as hidrelétricas são a fonte que mais geram energia no país. No primeiro semestre de 2021, as fontes hidráulicas entregaram 72,6% de todos os MWh consumidos no Brasil.

No período de 2019 a 2021, as hidros entregaram no pior ano, 71% e no melhor ano, 95,3% de todos os MWh consumidos no país. Todas as outras fontes somadas (térmicas a gás, a diesel, a óleo, carvão, biomassa, eólicas, solares e nucleares) entregaram um máximo de 29% dos MWh consumidos e um mínimo de 4,7%.

Arbex explica que o Brasil tem o segundo maior potencial hídrico do mundo, 12% da água doce do planeta, e possui apenas 1500 hidrelétricas com questionamentos se esse número não é muito para o país.

Toda a problemática que está sendo discutida atualmente não é nova, há mais de 20 anos já se sabe que faltam reservatórios. Nesse período, o Brasil construiu térmicas para darem segurança ao sistema elétrico brasileiro. Atualmente, existem quase 45 mil MW de térmicas. Contudo, a carga oscila entre 50 e 70, ou seja, não deveria existir nenhum problema com essa estiagem que estamos enfrentando, se essas térmicas fossem acionadas. O problema seria o custo, pois são mais caras que as hidros, mas não haveria racionamento, diz ainda Arbex.

Exceto as nucleares, todas as outras fontes geram menos que sua porcentagem da capacidade instalada.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
O que você achou? Comente