Diretor do KAYAK para a América Latina

2014 foi um ano marcante para a KAYAK, empresa de tecnologia voltada a criar ferramentas inteligentes para simplificar o processo de pesquisas de viagens online. Presente em mais de 30 países, nossa chegada ao Brasil demonstra o crescimento deste mercado turístico online e o grande potencial deste segmento que ainda esta por vir.  

Fazendo uma retrospectiva do setor, 2014 foi um ano difícil, porém ainda positivo. Dentre os diversos indicadores, vimos o percentual de tíquetes vendidos pelas companhias aéreas domesticas crescer. Em novembro, por exemplo, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) identificou um crescimento de 6,7% na demanda de voos em relação ao mesmo período do ano passado, e a oferta das companhias associadas – Avianca, Azul, Tam e Gol – também aumentou 4,2%. Vimos também companhias aéreas como a Azul passar a realizar voos internacionais e expandir a sua frota, um investimento de expansão que comprova  esse crescimento.

Tivemos também a Copa do Mundo, evento que aqueceu o mercado, mas que teve também um efeito colateral não desejável: o campeonato atraiu turistas estrangeiros e fez com que muitos brasileiros se movessem pelo país, no entanto prejudicou o fluxo habitual de viagens, principalmente do mercado de negócios, atrapalhando um filão importante do setor.

O grande progresso do setor em 2014 foi a mudança de postura da classe média, que passou a considerar as viagens como um item de desejo. Há dez anos, a classe C almejava comprar um carro, hoje eles desejam viajar. De acordo com uma sondagem de consumidor realizada pelo Ministério do Turismo e pela Fundação Getúlio Vargas, a intenção de viagem das famílias da classe C entre junho e agosto de 2014 aumentou cerca de 80% entre os consumidores com faixa de renda de até R$ 2.100, permitindo ao Ministro do Turismo, Vinicius Lages, afirmar que a classe C já representa o mesmo que a classe A do ponto de vista da fatia de compra de viagens em todo o país.

Além disso, o e-commerce tem se fortalecido no país. De acordo com o E-bit, o comércio eletrônico faturou R$ 16 bilhões no primeiro semestre de 2014. O valor é 26% superior ao obtido no mesmo período de 2013, enquanto o crescimento do varejo em lojas físicas foi de 4%. Estima-se que o setor online já esta capturando cerca de 25% das transações de turismo no pais. A isso se soma o fato de a Internet ser cada vez mais acessível (eMarketer estima 107,7 milhões de internautas conectados no Brasil) e mais mobile (75% dos celulares vendidos são Smartphones).

Dessa maneira, os consumidores tendem a procurar, cada vez mais, ferramentas eletrônicas que façam buscas on-line para realizar uma compra rápida, segura, e a bom preço. Dentro do nosso mercado internacional – o KAYAK processa mais de um bilhão de pesquisas de viagens por ano -, já percebemos a força dessa tendência: o usuário brasileiro já acessa o mobile para pesquisar preços percentualmente até mais que os americanos.

Entraremos em 2015 com algumas dúvidas quanto ao crescimento do setor. A instabilidade politica e econômica faz com que muitos consumidores estejam tomando uma postura um pouco mais conservadora. No entanto, com o contínuo interesse da classe média brasileira em viajar, aliada ao crescimento do e-commerce no país, e a massificação de tecnologias mobile com acesso a internet, fazem com que o futuro do turismo online continue sendo muito promissor.  

Neste sentido, o KAYAK continuará a ter em 2015 um foco muito grande em mobile, ajudando os usuários na busca e gerenciamento de sua viagem, e introduzindo novos produtos de alta demanda do consumidor brasileiro, como, por exemplo, os pacotes de viagem. O nosso objetivo é oferecer uma ferramenta simples, porém poderosa, que funcione muito bem, seja em seu computador ou telefone, e que ajude a economizar tempo e dinheiro de nossos usuários, evitando surpresas desagradáveis neste processo.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.

O que você achou? Comente