Terça, 16 Julho 2024

O acidente nos reservatórios de combustível (álcool anidro e gasolina) do terminal Ultracargo, no Porto de Santos, ainda está bem vivo na memória do País, principalmente da população da Baixada Santista, região onde está o complexo portuário santista. Por isso, causa temor a situação que envolve a instalação de novo terminal na área continental de Santos. Pertencente à Santorini, que por sua vez faz parte da Empresa Brasileira de Terminais e Armazéns Gerais (EBT) – que controla os terminais de líquidos Ageo e Ageo Norte, instalados na Ilha Barnabé –, o local operará granéis sólidos vegetais (soja, milho, açúcar e farelo), carga geral não conteinerizada (celulose) e granéis líquidos (óleo diesel, gasolina, etanol e acetatos). Prevista para iniciar as operações em 2018, a empresa estima movimentar 26 milhões de toneladas por ano.

Leia também
Incêndio da Ultracargo: uma tragédia anunciada
Portos: explosões e lições nunca aprendidas 
Embraport prejudica comunidade pesqueira

Com certeza um grande e rentável negócio para os donos do empreendimento, mas e ao meio ambiente e à população o que o novo terminal significará? Segundo o diretor-presidente do Instituto Ecofaxina, William Rodriguez Schepis, só a instalação e a operação deste complexo já são suficientes para impactar o meio ambiente, o primeiro prejuízo ao ecossistema local é a devastação da área a ser explorada, mesmo sendo dentro uma zona de amortecimento.

Após o acidente da Ultracargo, milhares de peixes aparecem mortos na região da Baixada Santista

A região onde será instalado o complexo retroportuário é chamada Zona de Amortecimento e fica entre o Parque Estadual da Serra do Mar e Parque Estadual Xixová-Japuí. O licenciamento ambiental do empreendimento ainda está em curso. A Companhia de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) aguarda o envio de dados complementares ao Estudo de Impacto Ambiental - Relatório de Impacto Ambiental (EIA-Rima) para dar continuidade à análise técnica do processo.

No dia 16 de abril último, foi realizada uma reunião convocada pela comunidade da Ilha Diana, localizada a um quilômetro de onde será instalado o Terminal Santorini. O diretor da Santorini Terminais e Ageo Terminais, Aquiles Dias, fez uma exposição sobre o projeto, mas nada acrescentou além do que já foi divulgado, ou seja, nada. Os moradores saíram da reunião com as mesmas dúvidas.

Qualquer negócio da iniciativa privada deve ter um forte contraponto dos órgãos públicos que devem zelar, acima de tudo, pelos interesses da sociedade e garantir iniciativas econômicas sustentáveis.

Curta, comente e compartilhe!
Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*O Dia a Dia é a opinião do Portogente

Deixe sua opinião! Comente!
 

 

banner logistica e conhecimento portogente 2

EVP - Cursos online grátis
seta menuhome

Portopédia
seta menuhome

E-book
seta menuhome

Dragagem
seta menuhome

TCCs
seta menuhome
 
logo feira global20192
Negócios e Oportunidades    
imagem feira global home
Áreas Portuárias
seta menuhome

Comunidades Portuárias
seta menuhome

Condomínios Logísticos
seta menuhome

WebSummits
seta menuhome
 

 

 

ecoporto