Exportadores do Brasil reclamam, e de não é de hoje, da falta de rotas eficientes para o escoamento da produção agrícola e das demais cargas que são enviadas ao exterior. O gigante Grupo André Maggi, em reportagem especial de PortoGente, já lamentou o atraso do transporte no País e pediu providências. Realmente, se não forem feitos investimentos neste segmento nos próximos 10 a 15 anos, os produtos nacionais perderão competitividade no mercado externo. A iniciativa privada precisa ter papel preponderante nesse desenvolvimento, trabalhando junto aos governos estaduais e federal para modificar o atual panorama.

 

* Produtores de soja reclamam do transporte precário no Brasil

* Crise econômica adia outra crise no País, a da logística de transporte

* A desgraça da logística de transportes no Brasil

 

Afinal, os modais ferroviário e, principalmente, o hidroviário ainda não têm todo o potencial devidamente explorado. Além disso, as altas tarifas encontradas na cadeia logística e a burocracia do setor mostra que falta um trabalho eficiente para alterar este quadro que causa arrepios nos exportadores.

   

É lamentável ver que a cabotagem e o transporte aquaviário ainda tropeçam em um país cujo o litoral é de mais de nove mil quilômetros e que também conta com uma grande rede hidroviária. Em reportagem publicada nesta semana, o diretor de operações da Aliança, José Antônio Balau, alertou para a possibilidade de estagnação da cabotagem brasileira caso os portos e terminais marítimos não busquem saídas para a eliminação de gargalos logísticos.

 

Aumentar a participação desse modal na matriz nacional de transportes – cujo índice, hoje, não passa de 12% - é um dos principais desafios para aumentar a hoje inexpressiva participação brasileira no comércio internacional.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*O Dia a Dia é o editorial do Portogente publicado de segunda a sábado e expressa fielmente a posição coletiva dos responsáveis pela redação do website

O que você achou? Comente