Em tempos tecnológicos digitais, é interessante o debate proposto pelo professor Paulo Silvestre, da PUC-SP. Ele destaca o conceito de humanidade aumentada frente à realidade aumentada. 

600 Paulo SilvestreProfessor Paulo Silvestre: humanidade aumentada para garantir emprego e bons salários.

A realidade que ganhou o adjetivo “aumentada”, segundo o professor de jornalismo e comunicação Paulo Silvestre, tem reflexo direto no “futuro do trabalho”. Ele assevera: “Fala-se muito que a máquina vai substituir o trabalho humano. O fato é que qualquer coisa que puder ser automatizada será.” Isso vale para todas as profissões, inclusive a engenharia, faz questão de destacar, ele que também cursou Engenharia Elétrica na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), aos 17 anos de idade. “Um profissional que trabalha como se fosse um robô está “pedindo” para ser substituído por um robô.”

Nesse cenário, observa Silvestre, uma das maiores forças que qualquer profissional tem “é justamente a sua capacidade de ser humano”. “Estive, há três semanas, num evento da VTEX – empresa brasileira de tecnologia especializada em computação –, em São Paulo, onde estava o (Barack) Obama. Ele falou muito da importância da educação para melhorar o mundo e disse que uma das coisas que a máquina não pode fazer é abraçar uma criança. Só um ser humano consegue fazer isso.”

Autonomia e bom salário
O professor acredita que, nesta “encruzilhada” em que se encontra o mundo do trabalho, a “humanidade aumentada” é um bom caminho para ser trilhado. “Estou falando em usar as tecnologias para melhor realizar o nosso trabalho, extrapolando a nossa própria humanidade.”

Silvestre exemplifica com dois casos bem-sucedidos na utilização da humanidade aumentada: o serviço de call center da Netflix e do Nubank. “Eles têm a tecnologia dando subsídios para que o atendente ofereça um atendimento que seja realmente diferenciado para quem está do outro lado.” A diferenciação não termina por aí, tais profissionais, prossegue, têm autonomia e ganham bons salários também. “Autonomia, inclusive, para quebrar algumas regras. Sem a tecnologia, por melhor que fosse esse profissional, ele não conseguiria ter o mesmo nível de atendimento porque não teria informação para isso.”

A humanidade aumentada, portanto, significa usar a tecnologia para que um profissional de qualquer área exerça a sua função com as qualidades humanas. “Poderíamos dizer que seriam as qualidades humanas anabolizadas”, brinca.

* Com informações do site do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo

 

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*O Dia a Dia é o editorial do Portogente publicado de segunda a sábado e expressa fielmente a posição coletiva dos responsáveis pela redação do website