O setor metroferroviário brasileiro reagiu com otimismo ao recente anúncio feito pelo governo federal sobre o novo plano de concessões. A aposta do governo federal em concessões e parcerias público-privada que contempla ativos em ferrovias e outros projetos de infraestrutura joga luz aos projetos de investimentos em renovação e ampliação da malha férrea de transporte de cargas que há muito demanda um olhar mais cuidadoso da gestão pública. A ressalva é quanto à agenda de leilões, postergada para 2017 e 2018.

 

De acordo com o anunciado, o Projeto Crescer, que faz parte do Programa de Parceria de Investimentos (PPI), considera a realização de 34 leilões de concessões nos próximos dois anos. Em termos de recursos públicos a serem disponibilizados, a Caixa Econômica Federal e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) devem disponibilizar R$ 30 bilhões para o financiamento das obras.

 

As associações do setor confirmam que as expectativas do sistema ferroviário para 2017 giram em torno, basicamente, dos próximos passos dos governos estaduais e federal. “Dos 18 projetos em execução no País, 60% já estão na modelagem de PPPs. Esperamos que para o próximo ano outras linhas tradicionalmente operadas pelo poder público sejam concedidas à iniciativa privada, uma tendência que já observamos acontecer e que é benéfica para a desoneração dos cofres públicos”, afirma a superintendente da ANPTrilhos (Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos), Roberta Marchesi.

 

Já para o diretor-executivo da ANTF (Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários), Fernando Paes, a expectativa é mesmo quanto à realização dos leilões anunciados para 2017 e 2018, bem como ao início da implementação dos planos de investimento decorrentes das eventuais prorrogações das atuais concessões.

 

Novos negócios - Neste cenário é que acontece em novembro a NT Expo - 19ª Negócios nos Trilhos, tradicional evento do setor de transporte metroferroviário da América Latina. Embora ainda no campo das previsões, a perspectiva de retomada de investimentos impõe uma relevância adicional à realização do evento, que irá discutir a potencialidade do modal ferroviário de 8 a 10 de novembro no Expo Center Norte - Pavilhão Vermelho, em São Paulo.

 

O evento congrega toda a cadeia de fornecedores, formadores de opinião, órgãos públicos e os players dos segmentos de carga e passageiro, nacionais e internacionais. “É um momento importante para todo o setor metroferroviário. Volta-se a falar em investimentos e principalmente na composição de um marco regulatório que atenda as necessidades e demandas das empresas investidoras e, por consequência, de toda a cadeia. Esta edição da NT Expo terá uma função ainda mais relevante: viabilizar o encontro da indústria e a discussão sobre diretrizes para o mercado”, diz o Gerente da NT Expo, Ricardo Barbosa.

 

Um dos diferenciais do evento neste ano é a ênfase no networking. “Mantivemos o compromisso assumido há tantos anos com o mercado de oferecer um ambiente exclusivo e orientado à prospecção de novos negócios. Este ano, temos cerca de 100 marcas de diversos países que buscam na NT Expo uma oportunidade de participar dos novos projetos que o mercado começa a recuperar”, complementa Barbosa.

Entre as empresas estão fornecedores especializados em sinalização e segurança, fabricação de vagões, estrutura para interiores, cabeamento, sistemas de proteção contra descargas atmosféricas e aterramento, redes subterrâneas, comunicação, manutenção, reparo e baterias, trilhos,  dormentes e superestrutura.

 

Fomento estratégico - Para as ambas entidades, ANPTrilhos e ANTF, a realização da NT Expo é fundamental para abrir um espaço de discussão em torno da força do modal ferroviário no Brasil e de fomento aos negócios e investimentos. “O encontro é ideal para reunir os grandes líderes do segmento, responsáveis por nortear todo o desenvolvimento e investimentos que serão voltados para o setor. É também muito importante para consolidar a parte técnica, pois é na feira que as empresas do mercado buscam as novas soluções que irão contribuir para a manutenção de trens e na melhoria da performance operacional”, diz a superintendente da ANPTrilhos.

 

Já para o diretor-executivo da ANTF, “o transporte ferroviário de cargas, no Brasil e no mundo, envolve companhias e grupos de grande porte, todos eles muito sólidos e com notória experiência no que fazem – seja no fornecimento de equipamentos, de peças a locomotivas, mas também de novas tecnologias ou de inúmeros tipos de serviços. Poder encontrá-los juntos, no mesmo local e data, é, sem dúvida, uma oportunidade única, ideal para os objetivos e projetos futuros tanto da ANTF quanto de suas associadas. É com grande satisfação que mais uma vez participaremos da NT Expo”.

 

Rodada de negócios- Para incentivar a interação entre as empresas da cadeia e otimizar a realização de negócios entre os expositores da NT Expo, a ANPTrilhos e a ANTF organizam durante o evento uma exclusiva Rodadas de Negócios. “É uma oportunidade única para fornecedores agendarem reuniões com seus clientes estratégicos, aproximarem-se da demanda dessas empresas e apresentarem suas soluções”, avalia Barbosa.

 

Programação - Transporte de passageiros, transporte de cargas e investimentos são os temas norteadores dos eventos de conteúdo que acontecem nos dias de realização da NT Expo, sempre no período da manhã. Autoridades, especialistas e empresários debaterão as principais questões e desafios do setor metroferroviário.

 

Adicionalmente, a NT Expo organiza mais uma vez o Espaço Inovação + Mobilidade, evento especialmente desenvolvido para que as empresas do setor apresentem seus cases de sucesso e lançamentos de equipamentos e tecnologia. As palestras são gratuitas e acontecem na área de exposição da feira, das 14 às 19h.   

 

Para mais informações e o credenciamento de visitantes, acesse o site www.ntexpo.com.br

 

 

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.

O que você achou? Comente