• Ao completar os cem primeiros dias da arrastada indicação política de Casemiro Tércio Carvalho para assumir a presidência da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), a administradora do Porto de Santos, o que mais marcou esse período foi o descompasso da Autoridade Portuária com a sua comunidade.

  • O diretor-presidente da Autoridade Portuária ressaltou, em tom de orgulho, o lucro líquido de R$ 68 milhões registrado pela Companhia no primeiro quadrimestre de 2019, para o qual contribuiu ao ter a nomeação aprovada pelo Conselho de Administração (Consad) em 25 de fevereiro

  • O compromisso verbal foi feito em encontro do diretor-presidente, Casemiro Tércio Carvalho, com a deputada federal Rosana Valle (PSB-SP), realizado na última semana. Apenas 2 dos 14 terminais de granéis atendem à legislação exigida pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), criada com o intuito de evitar a dispersão da poeira e do mal cheiro das operações

  • Portogente dá prosseguimento à publicação de entrevistas com presidentes de autoridades portuárias destacando visão e postura do atual mandatário do Porto de Santos, Casemiro Tércio Carvalho. Nas respostas enviadas à nossa redação ele destacou que o novo Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ), em fase de elaboração, "tem como premissa condensar e adensar as áreas de movimentação de cargas" com o objetivo de formar clusters e aumentar a produtividade do porto santista

  • Em obediência aos princípios constitucionais da publicidade e transparência, cabe ao diretor-presidente Casemiro Tércio Carvalho, da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), esclarecer a nomeação de comissionado que "não detém integralmente os requisitos necessários", sejam lá quais forem esses requisitos, para ganhar salário mensal bruto de R$ R$ 25.966,55, conforme revela o Blog do Bruno Merlin, neste Portogente