"Conexão Transfronteiriça – A Nova Rota do Milho" foi o foco da segunda reunião, de 2017, do Núcleo Estadual de Integração da Faixa de Fronteira do Estado (NFSC), realizada, no dia 9 último, em Maravilha (SC). O evento reuniu cerca de 150 pessoas entre representantes das Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs) de São Lourenço do Oeste, São Miguel do Oeste, Itapiranga, Palmitos, Chapecó e Xanxerê, além de prefeitos, vereadores, representantes de órgãos municipais, estaduais, federais e do governo da Argentina.

O objetivo foi discutir estratégias para fortalecer o projeto e viabilizar a rota, considerada um importante canal de oportunidades para o transporte de grãos, integrando Paraguai, Argentina e Santa Catarina. O encontro foi conduzido pelo secretário de Estado do Planejamento e coordenador geral do NEFC, Murilo Flores.

A Rota do Milho oportunizará a liberação de transporte através de Balsas sobre o Rio Paraná, na localidade de Mayor Julio Otaño (Paraguai), Eldorado (Argentina), com entrada em Santa Catarina via Porto Seco de Bernardo de Irigoyen em Misiones (Argentina) e Dionísio Cerqueira (Santa Catarina - BR). Outra passagem entre São Pedro (Misiones/AR) e Paraíso (Santa Catarina) também possui ações em andamento para atender as demandas.

O coordenador regional Oeste do Sebrae, Enio Parmeggianni, destacou que o corredor viabilizará o crescimento do agronegócio e que o processo desencadeado tem etapas para seu aperfeiçoamento e fluidez. "São necessáriAs obras de infraestrutura como a implantação de pontes, rodovias e melhoria dos serviços de suporte nas passagens entre os países envolvidos, aspectos que são vinculados a acordos de cooperação, e deliberação no âmbito de cada país. O principal desafio é a simplificação dos processos relativos à participação dos pequenos negócios na composição deste novo cenário econômico do território", disse na oportunidade.

Já o secretário de Estado do Planejamento e coordenador geral do NEFC, Murilo Flores, comemorou os avanços obtidos nas articulações, como o acordo com o Paraguai e Argentina para trazer o milho do Paraguai e suprir a necessidade da agroindústria do Oeste. "É um resultado concreto, fruto do esforço que nasce dos trabalhos das Câmaras Temáticas. Foi uma reunião de alcance estratégico para o futuro da economia do Oeste de Santa Catarina".

Santa Catarina é o maior importador de milho do País e adquire por ano mais de 3 milhões de toneladas do cereal de Mato Grosso, Goiás e Mato Grosso do Sul. A região da faixa de fronteira abrange 82 municípios catarinenses, a partir da linha divisória com a Argentina, com aproximadamente um milhão de habitantes.

0
0
0
s2smodern
powered by social2s