O mercado de condomínios logísticos do Rio de Janeiro fechou o terceiro trimestre do ano com taxa de vacância de 21%. O número caiu dois pontos percentuais em relação ao índice registrado no trimestre anterior, quando chegou aos 23%. Os dados são da Colliers International Brasil.

Os motivos para a queda da taxa de vacância foram a absorção líquida positiva somada nos meses de julho, agosto e setembro, que atingiu 32 mil m², metragem superior ao segundo trimestre, quando ficou em 21 mil m², e também a falta de entrega de novas metragens. Quando comparado ao mesmo período do ano passado, a absorção líquida apresenta índice positivo ainda mais elevado, já que no terceiro trimestre de 2015 a taxa foi negativa: -15 mil m².

“O mercado de condomínios logísticos foi afetado pela queda do consumo, mas as demandas por módulos mais bem localizados e eficientes seguem em andamento”, comenta Marcia Fonseca, diretora da Colliers Rio.

O Estado tem um inventário de 1.508 milhão de m², mesma metragem do trimestre anterior. Em relação aos preços médios pedidos de locação, também não houve alteração, mantendo-se os mesmos R$ 24,00 m²/mês. Os preços mais altos do Estado seguem sendo na Avenida Brasil, R$ 35,00 m²/mês, e Belford Roxo/Nova Iguaçu, R$ 25,00. Os mais baixos estão em Queimados/Seropédica, R$ 18,80, e Campos, R$ 15,00.