Quinta, 22 Fevereiro 2024

Construção de ferrovias é imprescindível para o futuro do Brasil

As lideranças e entidades empresariais do sul do Brasil estão construindo uma sólida convicção em torno da necessidade de um sistema ferroviário para sustentar o desenvolvimento econômico e manter a competitividade das principais cadeias produtivas.

Trem Minfra

O Simpósio da Integração Logística do Sul, recém-encerrado em Chapecó, concluiu que os investimentos em ferrovias são essenciais para assegurar o futuro dessa vasta região e, em especial, para manter a competitividade internacional do grande parque agroindustrial dos três estados sulinos.

As entidades que integram o Movimento Pró-Ferrovias – ABPA, ACIC, CEC, FACISC, FAESC, FIESC, OCESC E SINDICARNE/ACAV – patrocinaram o estudo de viabilidade econômica, técnica e ambiental para demonstrar as condições da construção de um ramal da Nova Ferroeste de Cascavel (PR) a Chapecó (SC). O projeto prevê a ligação de Maracaju, no Mato Grosso do Sul, ao Porto de Paranaguá, no Paraná, com um ramal a Foz do Iguaçu (PR). O Rio Grande do Sul aderiu ao movimento para que o projeto tenha também uma extensão do ramal até Passo Fundo e portos gaúchos.

Essas entidades lançaram a CARTA ABERTA em favor da Nova Ferroeste, que prevê, inicialmente, conectar Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul. A iniciativa tem por objetivo reduzir o Custo Brasil em cerca de 30%, otimizando a logística e trazendo mais eficiência para toda a cadeia produtiva. Serão 1.567 km de trilhos que vão passar por 66 municípios, um deles é Chapecó.

O teor da carta aberta.

CARTA MOVIMENTO PRÓ-FERROVIAS

As Entidades Empresariais do Estado de Santa Catarina, em conjunto com as Entidades Empresariais dos Estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso do Sul não têm medido esforços para viabilizar o crescimento do país, através do setor produtivo. Discutir a competitividade do setor empresarial e a logística de transportes é uma questão emergente para sustentar o desenvolvimento dos Estados do Sul e suas inter-relações com o Centro-Oeste brasileiro, notadamente na área da agroindústria. Essas regiões gozam de ampla integração cultural-territorial, elevado índice de desenvolvimento e uma admirável complementariedade econômica, mas carecem de uma crônica deficiência de infraestrutura. Debater essa problemática tornou-se crucial para a busca de uma solução que terá grande impacto econômico e extraordinários efeitos sociais.

Ampliar os modais logísticos brasileiros, com olhar integrador e desenvolvimentista sobre o futuro que se quer, é o propósito de um grupo de entidades catarinenses denominado PRÓ-FERROVIAS, que propõe um transporte ferroviário integrado, com o objetivo de garantir e viabilizar a continuidade de uma das maiores cadeias produtivas do Brasil - o Agronegócio, entre outros setores ameaçados pela falta de competitividade com outros mercados.

Neste 12 de setembro de 2023, referendando o trabalho iniciado em 2019, o Movimento Pró-Ferrovias, formado pela ABPA - Associação Brasileira de Proteína Animal; ACIC – Associação Comercial e Industrial do Município de Chapecó; CEC – Centro Empresarial de Chapecó; FACISC – Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina; FAESC - Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina; FIESC - Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina; OCESC - Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina e SINDICARNES, busca a adesão dos representantes públicos dos Estados que compõe o CODESUL para fazer com que o PRÓ-FERROVIAS seja uma realidade, resgatando assim o esquecido modal ferroviário tão necessário ao desenvolvimento regional e nacional.

Os Estados do Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul possuem contingente de mais de 12 milhões de empregos diretos e, por consequência, postos indiretos surgidos destes, com saldo acumulado de crescimento no IBC-Br do ano 2023, referenciando-se 2022, de 2,3%, 13,4%, 2,8% e 7,4% respectivamente.

A produção industrial destes Estados concentra um indicador de pleno emprego, com sazonalidades quanto ao crescimento ou decréscimo do número de vagas, sendo que o índice de desemprego fica em 3,2%, 5,4%, 3,8% e 5,4% respectivamente, enquanto a média nacional é de 8,8%, porém com alguns Estados com baixa atividade industrial ou agroindustrial chegando a mais de 14% de taxa de desemprego da população economicamente ativa.

Nos municípios em que há presença de atividade industrial ou agroindustrial, nos Estados supramencionados, o IDH é de 0,8>, sendo que o máximo da meta é 1,0, e quando comparamos aos municípios que não possuem atividade industrial ou agroindustrial o IDH fica em torno de 0,6<, demonstrando assim a importância da atividade econômica industrial e/ou agroindustrial.

Apenas como referência, em SC a atividade agroindustrial é responsável por 70% do volume de exportação e 50% da arrecadação com exportações, o que não difere dos demais Estados aqui mencionados. O movimento econômico gerado no mercado interno catarinense por meio da produção agroindustrial é de mais de R$10 Bilhões e soma-se a este os mais de US$4 Bilhões das exportações para mais de 150 países. São valores injetados diretamente na economia local e regional e que serão consideravelmente ampliados com a integração intermodal que se busca, singularmente com a chegada da ferrovia, em momento desafiador, em que há uma burocratização na legislação do sistema rodoviário, bem como com a drástica diminuição do número de motoristas profissionais dos últimos anos.

O projeto logístico intermodal, ora com foco no ferroviário, para que se integre ao rodoviário e marítimo, movimentará insumos e produtos acabados para a indústria e comércio de alimentos e bebidas, móveis, combustíveis e biocombustíveis, madeira e aço, grãos, construção, têxtil, equipamentos elétricos, cerâmico, fármaco, metalomecânico, plástico, dentre outros.

Assim repassamos aos Excelentíssimos representantes dos Estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul e de Santa Catarina o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental confeccionado e financiado pelas entidades que compõe o PRÓ-FERROVIAS, solicitando o apoio à Vs. Exas. e o compromisso de auxiliar na viabilização de tão importante projeto, bem como estimular e fomentar todas as conexões possíveis através de ferrovias que impactem esta região. Chapecó/SC, 12 de setembro de 2023.

ACIC – Associação Comercial e Industrial de Chapecó, Lenoir Antônio Broch – Presidente;

ABPA - Associação Brasileira de Proteína Animal, Ricardo José Santin – Presidente;

CEC – Centro Empresarial de Chapecó, Marcos Antônio Barbieri – Presidente;

FACISC – Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina, Sérgio Rodrigues Alves – Presidente;

FAESC - Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC, José Zeferino Pedrozo – Presidente
FIESC - Federação das Indústrias do Estado de SC . Mário Cezar de Aguiar – Presidente;
OCESC - Organização das Cooperativas do Estado de SC, Luiz Vicente Suzin- Presidente;

SINDICARNES – Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados em SC, José Antônio Ribas Junior – Presidente

Curta, comente e compartilhe!
Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
Deixe sua opinião! Comente!
 

 

 

banner logistica e conhecimento portogente 2

EVP - Cursos online grátis
seta menuhome

Portopédia
seta menuhome

E-book
seta menuhome

Dragagem
seta menuhome

TCCs
seta menuhome
 
logo feira global20192
Negócios e Oportunidades    
imagem feira global home
Áreas Portuárias
seta menuhome

Comunidades Portuárias
seta menuhome

Condomínios Logísticos
seta menuhome

WebSummits
seta menuhome