A agropecuária está presente na vida dos seres humanos desde que a espécie deixou de ser nômade. Com espaço de moradia fixa, semear grãos e criar animais se tornou fundamental para que os indivíduos pudessem se alimentar. Nos tempos atuais, essa atividade continua sendo indispensável, isso porque ela faz parte do setor primário da indústria e representa um peso decisivo na balança comercial.

Agronegócio Embrapa

Por esses motivos, em um cenário de pandemia, como a do novo coronavírus, continuar com as atividades agropecuárias e agroindustriais é essencial para suprir a grande demanda por comida. E para garantir a qualidade alimentícia da população é também necessário continuar investindo em insumos de excelência para os animais.

De acordo com Anderson Veiga, diretor da Quimtia Brasil, estes insumos são importantes na cadeia alimentar porque todos os animais necessitam de alimentação balanceada para o seu desenvolvimento e animais como o gado de corte, que se alimenta somente de pasto, podem sofrer com a deficiência de algum micro ou macro nutriente, resultando em subnutrição. "Com a utilização de insumos na criação de animais faz com que seja possível o desenvolvimento integral do potencial genético das espécies, além de assegurar o crescimento correto" explica.

Conforme Veiga esclarece, os suprimentos necessários para garantir a qualidade do produto estão divididos em quatro categorias: a ração pronta; os premix, que são produtos com componentes para serem adicionados às rações; as matérias primas puras para fabricação de rações e os produtos específicos para auxiliar a nutrição animal.

A Quimtia é uma indústria que faz parte da cadeia produtiva do agronegócio, desenvolvendo suprimentos alimentícios de excelente qualidade para criação de animais esportivos, de companhia, de zoológicos, de pesquisa e para os destinados ao consumo humano. A empresa é reconhecida no mercado pela qualidade de seus produtos, além de ter insumos homologados por um departamento de qualidade.

O diretor regional conta que no início da crise pensou em paralisar a fábrica de insumos, porém, essa medida poderia deixar seus clientes com um grande problema de abastecimento e consequentemente com grandes perdas econômicas. Mas, para que fosse possível continuar com a produção a empresa precisou se adaptar as normas de saúde individuais e coletivas.

"Pensamos principalmente no cuidado dos nossos colaboradores, usando dos mais severos controles sanitários, como: home office para os funcionários que podem desempenhar suas funções de casa; garantia de transporte empresarial porta a porta para os que precisam comparecer presencialmente, evitando a utilização de ônibus pelos funcionários; higienização diária dos veículos; uso de mascaras; palestras com especialistas em saúde; controle de temperatura corporal de 100% dos funcionários; disponibilidade de álcool gel em todos os setores, além de muitas outras ações que adotamos para evitar ao máximo possíveis contaminações", salienta.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s