A chuva escassa e o clima quente são fatores que prejudicam o fornecimento de água na região Centro-Oeste do Brasil. Em Goiás há um agravante: a bacia hidrográfica do Córrego Caidor – responsável por abastecer parte da área urbana e rural – está degradada e pode ser perdida caso não haja um processo de restauração.

Para assegurar o fornecimento de água, pesquisadores do Laboratório de Biogeografia da Conversação, da Universidade Federal de Goiás (CB-Lab/UFG), iniciaram estudos na bacia e nos arredores para verificar o nível de desgaste desses locais e propor medidas de recuperação. Há cerca de um ano, a equipe vem trabalhando no diagnóstico ambiental e tenta levantar recursos para dar início ao projeto.

A pesquisadora do laboratório Rafaela Aparecida da Silva saiu de Rio Claro, em São Paulo, para participar dos estudos em Silvânia, no interior de Goiás. Ela explica que o desgaste identificado na região é consequência de anos de uso insustentável dos recursos naturais. “Nós identificamos que a vegetação local está muito devastada e que há muita erosão no solo. A nossa principal preocupação é praticar ações para o futuro, por mais que a falta de água já aconteça na região”, destaca. A proposta para recuperar essas áreas envolve o plantio de sementes e mudas, além da instalação de cercas para impedir a invasão do gado. Outras medidas são a implantação de medidas de controle mecânico de erosão, como curvas de nível nas propriedades rurais e o desenvolvimento de ações educativas com os produtores locais para mudar a forma de manejo da terra.

Dimensão financeira
Parte da estratégia para tirar o projeto do papel é desenvolver um programa de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), que é um mecanismo de incentivo econômico entregue aos institutos, empresas ou pessoas com iniciativas que beneficiam o meio ambiente. Atualmente conhecida como PSA de Silvânia, a proposta de recuperação da bacia hidrográfica do Córrego Caidor participou do programa de aceleração Oásis, da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, que oferece suporte técnico no desenvolvimento de iniciativas de PSA.

Rafaela explica que o apoio da Fundação foi fundamental para indicar os caminhos e dar efetividade à proposta. “O projeto começou em dezembro de 2017 e estava em uma fase muito inicial. A parceria com a Fundação ajudou a desenvolver as metodologias e dar direcionamento aos caminhos que o projeto teria que tomar. Conseguimos driblar alguns obstáculos no desenho do projeto. Nós sabíamos o que precisava ser feito e a aceleração nos explicou como fazer”, ressalta.

De acordo com o coordenador de Soluções Baseadas na Natureza da Fundação Grupo Boticário, Renato Atanazio, a aceleração é aplicada em algumas iniciativas participantes da Rede Oásis, que promove a valorização de ambientes naturais por meio do PSA. “A aceleração promove a troca de experiências para capacitar projetos que enfrentam dificuldades operacionais, que costumam estar relacionadas com a falta de ferramentas de planejamento, bem como de recursos financeiros e humanos. Assim, o programa apoia na resolução de problemas que a equipe do projeto enfrenta. Capacitamos um membro do grupo para que possa transferir esse conhecimento adiante”, explica.

Em 2018, a Fundação Grupo Boticário envolveu cerca de 30 instituições na Rede Oásis – nove delas participaram do programa de aceleração. Durante quatro meses foi oferecida capacitação com elementos de gestão de projetos e ótica voltada aos negócios. Para Atanazio, a colaboração entre os pesquisadores é o mais importante. “Cada proposta tem uma característica diferente e cada uma delas está em um grau de implementação. Um projeto mais avançado consegue ajudar os mais iniciantes.” A primeira edição do programa de aceleração foi concluída no final de novembro.

Após passar pelo processo de aceleração, o projeto PSA de Silvânia já foi aprovado pela Câmara dos Vereadores da cidade e deve ser implementado ao longo de 2019. Com a aprovação, esse e outros programas de serviço ambiental devem receber orçamento da prefeitura para entrar em ação. Além do auxílio municipal, o PSA de Silvânia busca parcerias com instituições privadas para expandir a qualidade e impacto do projeto.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s